UOL EducaçãoUOL Educação
UOL BUSCA

Banco de redações

Redação

Aluno:***

Idade:***

Colégio:***

3,0

A justiça não é feita através de vinganças

Se vingança fosse a solução, por qual motivo existiria a justiça? Olho por olho e dente por dente, não somos mais dessa época. Os valores, as éticas, tudo mudou, o mundo muda e muda muito. A sociedade em que vivemos é quase que totalmente voltada para o emocional, os sentimentos atropelam nossa consciência e nossos atos. Caso Bin Laden tivesse matado algum parente seu, você deixaria a justiça fazer seu papel ou ia preferir se vingar com suas próprias mãos? A grande maioria [maioria,] se pudesse ter a chance de encontrar o assassino durante um minuto, com certeza o mataria, esses provavelmente não acreditam em justiça, e é claro nunca terão a chance de experimentá-la. São poucos os que se dão uma chance e falam ?que a justiça seja feita?.

Matar um homem não é justiça, é agir sem pensar, é se vingar sem consciência do que está fazendo, é ser compulsivo na emoção. Não devemos e não podemos tentar fazer justiça com nossas próprias mãos, muitas vezes podemos estar errados. E se aquele homem teve problemas na infância? E se ele não teve uma base familiar boa? É óbvio que na hora do ocorrido esses motivos serão muito pequenos comparado [comparados] ao que ele fez. Contudo, será que temos o poder [direito] de tirar a vida de alguém, por vingança? Será que nós somos mais evoluídos que outros, para tirar vidas? Uma ação não justificaria a outra. Não é justo que ele mate alguém, e não é justo que você o mate, você estaria se igualando a ele. Somos humanos, pessoas erram e erram feio, e se todo erro fosse julgado como vingança, quantos mortos teríamos?

Muitos querem [dizem que querem] a justiça, entretanto, bem no fundo querem a vingança. Que aliás é um prato que se come frio
e no final pode ser muito saboroso ou extremamente difícil de engolir. Não temos a justiça em nossas mãos, temos valores morais e éticos que devem ser cumpridos. E se não forem, que a justiça seja feita, já que ela foi criada para isso. Caso a justiça não ocorra, o que se faz aqui se paga lá. Não podemos nos deixar confundir vingança e justiça. Uma é totalmente diferente da outra, vingança acontece quando você quer retribuir algo que lhe aconteceu, mas matar não é a solução. Matar é uma forma de esquecer a dor que você sentiu, é fugir de um problema inteiro, só eliminando um milésimo dele. Matar não faz o passado voltar, mas faz seu futuro mudar completamente. Bin Laden pode ter morrido, mas seus seguidores estão livres e pelo governo americano não ter pensado antes, agora todos corremos risco. Devemos ter consciência de nossos atos, se praticarmos a vingança, que consciência nós temos? Que futuro estamos criando? Que ética estamos seguindo?

Comentário geral

Texto prolixo, cheio de trechos que deveriam ser eliminados devido a redundâncias, clichês, informalidades, imprecisão. O resultado ficou confuso e pouco informativo.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: a) há um aglomerado de ideias incompletas, de expressões soltas, o que não cumpre com as funções da introdução dissertativa: solução para quê? Dessa época refere-se a qual época? O que o autor quer dizer com a afirmação de que a sociedade está voltada para o emocional? São poucos os que se dão uma chance de quê? b)para manter o tom objetivo e impessoal, necessário à dissertação, não é adequado que o autor converse com o leitor, ainda mais no tom informal e intimista com que isso foi feito em várias passagens do texto.

2) Segundo parágrafo: excesso de perguntas e tom informal demais. Em vez de argumentar, o autor parece estar conversando com o autor, dando-lhe conselhos.

3) Terceiro parágrafo: a) evite os clichês (vingança é um prato que se come frio; o que se faz aqui se paga lá); b) ausência de referente para a expressão lá, em o que se faz aqui se paga lá.; c) falta objetividade ao parágrafo, que aglomera dados, mistura desenvolvimento e conclusão; d) no meio do parágrafo começa a definir vingança e justiça, mas fala da vingança e interrompe o raciocínio, passando a comentar o ato de matar. Não há sequência entre os dados, falta coesão.

Competências avaliadas

CompetênciaNota
1.Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita.0,5
2.Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.1,0
3.Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.0,5
4.Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.0,5
5.Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural.0,5
Total 3,0

Desempenho do aluno em cada competência

Nota 2,0 - Satisfatório Nota 0,5 - Fraco
Nota 1,5 - Bom Nota 0,0 - Insatisfatório
Nota 1,0 - Regular
Leia a proposta completa
Leia outras redações avaliadas
Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Compartilhe:

    Receba notícias

    Shopping UOL

    Hospedagem: UOL Host