UOL EducaçãoUOL Educação
UOL BUSCA

Biografias

Pintor francês

Édouard Manet

23 de janeiro de 1832, Paris (França)
20 de abril de 1883, Paris (França)

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

Reprodução

Reprodução

O pintor Édouard Manet, em retrato de 1870, foi rejeitado em salões pela ousadia de suas criações

Édouard Manet nasceu em Paris, a 23 de janeiro de 1832, e morreu na mesma cidade a 20 de abril de 1883. Nascido em uma família burguesa, Manet cresceu com todos os privilégios de boa saúde e educação, mas escolheu tornar-se um artista em vez de seguir os passos do pai e do avô no Direito.

Ainda jovem, tentando a carreira naval, embarcou em um navio mercante para uma viagem ao Brasil, retornando após alguns meses. Mas entre 1850 e 1856 passa a estudar no ateliê de Thomas Couture. Não se submetendo ao ensino acadêmico, contudo, prefere freqüentar os museus, viajando pela Itália, Áustria, Alemanha, Bélgica e Holanda.

Os anos seguintes foram de luta persistente para ser admitido no Salão (exposição anual de obras de arte selecionadas pela crítica). A batalha contra a crítica oficial e as convenções do seu tempo é a própria vida de Manet, que só encontrou receptividade entre os impressionistas.

Diálogo com a tradição
Manet pode ser considerado como o último representante da tradição e o primeiro entre os modernos na pintura francesa. Pertence à tradição pelo seu apego aos mestres do passado, cuja lição recria em várias obras, e também pela insistência em procurar o reconhecimento oficial. E é o primeiro entre os modernos por exprimir uma nova concepção da realidade e de sua representação por meio da arte.

Manet procurou refúgio nos mestres antigos exatamente por reação às convenções acadêmicas: tinha desprezo ostensivo pelas fórmulas temáticas, a pseudopsicologia melodramática, a retórica sentimental, a pintura pseudofilosófica, etc. Quanto às técnicas, preferiu o modelado plano e rejeitou as meias tintas da pintura acadêmica.

A fim de evitar a pintura convencional do seu tempo, Manet procurou nos mestres antigos a diversidade da expressão temática e das soluções plásticas. Seus temas são anticonvencionais, são mais pretextos do que temas. O que o interessava, mais do que a observação realista, era a solução de problemas plásticos, inclusive em suas recriações de quadros célebres. Nesse sentido, mais do que precursor do impressionismo, é precursor da pintura moderna.

Manet foi rejeitado pela primeira vez no Salão de 1859, embora ainda fizesse concessões ao gosto da época. Em 1861, dois de seus quadros foram bem recebidos pelo Salão, mas o estilo dessas obras ainda era o do realismo tradicional.

O choque definitivo entre Manet e os juízes do Salão veio com o "Almoço na relva", em 1863. Embora o seu modelo fosse um quadro clássico, o "Concerto campestre", de Giorgione, a obra de Manet foi julgada insolente pelas suas características eróticas. O quadro foi exibido no Salão dos Recusados, aberto no mesmo ano para os pintores que não eram admitidos ao Salão.

Ao mesmo tempo, Manet expõe na Galeria Martinet vários quadros hoje famosos, como "Lola de Valence", "La Musique aux Tuilleries", etc. Seu cromatismo ousado, seu realismo cotidiano, oposto aos grandes temas convencionais da época, despertaram a hostilidade implacável da crítica.

Escândalo
Escândalo ainda maior do que "Almoço na relva" foi provocado pela "Olympia", recusada pelo Salão de 1865. A razão da recusa talvez tenha sido a intenção evidente de paródia do academicismo que tematizava as vênus eróticas de Ticiano. A par do erotismo considerado mórbido e de mau gosto, Manet utilizava a cor de maneira insólita e o modelado mais plano possível, em contraste aberto com o realismo. A influência principal terá sido, nesse caso, a da gravura japonesa.

O Salão de 1866 confirmou a reputação de Manet como revolucionário, recusando "O pífaro", cujo modelo evidente é um quadro de Velásquez. Tornaram-se claras as razões da recusa: Manet era rejeitado pela ousadia artística e não por ofensa à moral pública. Pelas mesmas razões ele não foi aceito na Exposição Internacional de 1867. Organizou sua própria exposição, em que, entre dezenas de quadros, surgiu uma obra-prima: "Execução de Maximiliano", tendo como modelo o "Três de maio", de Goya. O tema era pretexto para estudos de cor, luz e sombras.

Mestre e adepto
Manet não foi tanto, como já se difundiu por equívoco, precursor do Impressionismo. Mas sua obra revelou traços de afinidade com os novos pintores. Recusado, como os impressionistas, pela crítica oficial, é natural que estes o atraíssem. E Manet pode ser considerado como meio mestre e meio adepto da nova corrente. A afinidade principal entre Manet e o Impressionismo era de ordem metódica: redução da pintura à sua natureza específica, pela pesquisa de massas, de luz e de cor.

Quase sempre recusado oficialmente, Manet gozou, entretanto, de um prestígio enorme nos meios mais avançados da época. Além dos impressionistas, foram seus defensores Baudelaire, Zola, Mallarmé e outros escritores. Em nossos dias, ele é considerado o principal ascendente da pintura moderna, antecedendo os revolucionários impressionistas.

Fonte: Enciclopédia Mirador Internacional.
Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Compartilhe:

    Receba notícias

    Lição de Casa Dicionários

    Aulete

    Português

    Houaiss

    Português

    Michaelis


    Tradutor Babylon


    Shopping UOL

    Hospedagem: UOL Host