Historiador brasileiro

Capistrano de Abreu

13 de agosto de 1927, Maranguape, CE (Brasil)<br> 13 de agosto de 1927, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)​





Autor Da Página 3 Pedagogia & Comunicação




  • [creditofoto]

    Capistrano de Abreu renovou os métodos de investigação e interpretação historiográfica no Brasil

    Capistrano de Abreu renovou os métodos de investigação e interpretação historiográfica no Brasil

João Capistrano Honório de Abreu foi influenciado por Tobias Barreto e Sílvio Romero. Fixou-se no Rio de Janeiro a partir de 1875; lecionou no Colégio Aquino, foi colaborador de O Globo, redator da Gazeta de Notícias e participou da vida literária da corte.

Nomeado oficial da Biblioteca Nacional, aí permaneceu de 1879 a 1883. Nesse ano defendeu a tese O descobrimento do Brasil e o seu desenvolvimento no século 16, em concurso para o Colégio Pedro 2º. Obteve o primeiro lugar.

Foi professor de corografia (estudo geográfico de uma região) e história do Brasil até 1899, quando foi posto em disponibilidade, por extinção da cadeira. Em 1887 foi eleito membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.

Capistrano de Abreu renovou os métodos de investigação e interpretação historiográfica no Brasil. De início baseou-se nos princípios de Comte, Taine, Buckle, Spencer, e afirmou-se adepto do determinismo sociológico, pretendendo com seus estudos descobrir "as leis fatais que regem a sociedade brasileira".
 

Realismo histórico

Mais tarde, com o trabalho na Biblioteca Nacional e com a leitura de pensadores alemães como Ranke, Bücher, Eduard Meyer, Sombart e Wundt, evoluiu do positivismo para o realismo histórico, e a pesquisa cuidadosa e imparcial das fontes conferiu às suas interpretações um caráter objetivo.

Sua análise da civilização brasileira parte do estudo do ambiente, dos fatores geográficos, raciais, econômicos e psicológicos. De acordo com o pensamento de Buckle, ressalta a influência das massas e do homem comum na evolução histórica e diminui a importância atribuída aos chefes ou heróis.

Capistrano exerceu grande influência sobre os historiadores de sua geração, sobretudo Rodolfo Garcia, Pandiá Calógeras, Afonso Taunay e Paulo Prado. Seu estilo reflete a economia e a objetividade de sua orientação técnica.

Sua obra mais importante é Capítulos de história colonial, 1500-1580, de grande poder de síntese e que lhe confirmou a superioridade como historiador aos recenseadores de fatos, nome e datas.
 

Enciclopédia Mirador Internacional

UOL Cursos Online

Todos os cursos