UOL EducaçãoUOL Educação
UOL BUSCA

Biografias

Escritor e diplomata brasileiro

Graça Aranha

21 de junho de 1868, São Luís do Maranhão, MA (Brasil)
26 de janeiro de 1931, Rio de Janeiro, RJ (Brasil)

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

[creditofoto]

[creditofoto]

Graça Aranha aderiu ao Modernismo e rompeu com os tradicionalistas, como Coelho Neto

José Pereira da Graça Aranha, romancista e ensaísta, cursou a Faculdade de Direito do Recife, onde foi discípulo de Tobias Barreto, cujas ideias o influenciaram, como revela seu primeiro trabalho, o prefácio à Concepção monística do universo, de Fausto Cardoso.

Na Europa, Graça Aranha serviu como diplomata. Em 1911 publicou a peça Malazarte, escrita simultaneamente em francês e português, e levada à cena em Paris. Nela procurava criar um símbolo para o Brasil, seguindo os modelos de Ibsen.

Membro fundador da Academia Brasileira de Letras, depois de 1922 aderiu ao Modernismo, e seu rompimento com os tradicionalistas, agrupados em torno de Coelho Neto, causou escândalo. Conclamou os acadêmicos a modernizarem a instituição ("Se a Academia não se renova, então morra a Academia!", afirmou em discurso polêmico). A seguir, desliga-se da Academia.
 

Canaã

Sua principal obra, o romance Canaã, de 1902, sobre a vida dos imigrantes europeus, ambientado em uma colônia alemã no Brasil, abalou o cenário das letras do país, pelo debate de ideias em torno do descobrimento de aspectos da realidade do interior.

Segundo a professora Luciana Stegagno Picchio, "o nome de Graça Aranha costuma abrir, com todo o direito, o capítulo do Modernismo de 1922, pela adesão entusiasta, determinante, que essa grande personalidade, antes mesmo que grande escritor, iria dar aos jovens de São Paulo na revolta deles contra as instituições".

E acrescenta a estudiosa italiana, agora se referindo ao romance Canaã: "O lugar literário de Graça Aranha é todavia aqui, nesta prefiguração de um Brasil terra prometida, onde a pacífica mescla das raças, fora de todo preconceito europeu, poderá fazer nascer uma nova humanidade. E é por essa 'mensagem' de romance ideológico que Canaã será arvorado pelos jovens modernistas como bandeira de seu movimento".

Graça Aranha também publicou: Correspondência entre Machado de Assis e Joaquim Nabuco, no qual desenvolve exemplar análise crítica; O espírito moderno, conferências feitas de 1922 a 1924; e o romance A viagem maravilhosa, tentativa de criação de um estilo novo. A morte interrompeu a autobiografia O meu próprio romance, publicada postumamente.
 

Enciclopédia Mirador Internacional; "História da Literatura Brasileira", Luciana Stegagno Picchio

Compartilhe:

    Receba notícias

    Lição de Casa Dicionários

    Aulete

    Português

    Houaiss

    Português

    Michaelis


    Tradutor Babylon


    Shopping UOL

    Hospedagem: UOL Host