UOL EducaçãoUOL Educação
UOL BUSCA

Biografias

Filósofo alemão

Max Horkheimer

14 de fevereiro de 1895, Stuttgart (Alemanha)
7 de julho de 1973, Nuremberg (Alemanha)

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

[creditofoto]

[creditofoto]

Horkheimer: um marxista não-ortodoxo ligado ao humanismo individualista

Filho de um industrial judeu, Max Horkheimer nasceu em 14 de fevereiro de 1895, em Stuttgart, na Alemanha. Abandonou os estudos em 1911 para aprender um ofício e ajudar na fábrica de seu pai. Participou da 1ª Guerra Mundial e, quando ela terminou, concluiu os estudos e decidiu se especializar em Filosofia e Psicologia, nas cidades de Munique, Friburgo e Frankfurt, onde conheceu o também filósofo Theodor Adorno.

Horkheimer defendeu o doutorado em 1922, sob a orientação do filósofo kantiano Hans Cornelius, com um trabalho sobre a antinomia do juízo teleológico. Três anos depois, daria seguimento aos seus estudos com um trabalho sobre a crítica do juízo em Kant.

Em 1926, começou a trabalhar na Universidade de Frankfurt e se casou com Rosa Rieker. Influenciado por seu amigo Friedrich Pollock (sociólogo e economista alemão), associou-se, juntamente com Theodor Adorno, à criação do Instituto de Pesquisas Sociais, instituição dedicada à pesquisa interdisciplinar entre filósofos, sociólogos, estetas, economistas e psicólogos, mais conhecido pelo nome de Escola de Frankfurt e do qual se tornaria diretor, sucedendo o historiador austríaco Carl Grünberg. São dessa época a obra "Materialismo, metafísica e moral" e vários artigos publicados na famosa Revista de Pesquisa Social.

A Escola de Frankfurt lançou os fundamentos da chamada "teoria crítica", expressão que designa um conjunto de idéias sobre a cultura contemporânea, baseadas no marxismo mas abertas às influências que o pensamento deve exercer sobre todas as premissas teóricas.
 

A dialética do esclarecimento

Em 1933, com o fechamento, pelos nazistas, do Instituto de Pesquisas Sociais, Horkheimer foi obrigado a abandonar a Alemanha, passando pela Suíça e chegando à Universidade de Columbia, em Nova York, nos EUA, onde instalou o Instituto.

No início da década de 1940, Max Horkheimer escreve, junto com Adorno, o clássico "Dialética do esclarecimento" (também conhecido como "Dialética do iluminismo") e coordena um estudo sobre o anti-semitismo, além de publicar diversos artigos sobre o tema. Retornou à Alemanha em 1949, onde passou a trabalhar como professor de filosofia na Universidade de Frankfurt, reabrindo, um ano depois, o Instituto de Pesquisas Sociais.

Entre 1951 e 1953, Horkheimer foi reitor da Universidade de Frankfurt. Ele continuou com seus estudos filosóficos e sociológicos, publicando obras como "Crítica da razão instrumental" e "Teoria tradicional e teoria crítica", na qual reuniu vários de seus artigos. Durante esses anos, Horkheimer recuperou o pensamento de Schopenhauer e, também, suas relações com o judaísmo. Em 1959, ocupando a posição de professor emérito, muda-se para Lugano, na Suíça, onde continua seu trabalho filosófico.

O pensamento de Horkheimer é um dos mais importantes da filosofia contemporânea. Ao enfrentar a "razão instrumental" com sua "teoria crítica", ele denuncia essa razão como criadora de perigosos mitos, situando-se em um marxismo não-ortodoxo, ligado também a certo humanismo individualista.

Max Horkheimer faleceu em 7 de julho de 1973, em Nuremberg, na Alemanha.
 

Enciclopédia Mirador Internacional // New York Times // El País // Le Monde

Compartilhe:

    Receba notícias

    Lição de Casa Dicionários

    Aulete

    Português

    Houaiss

    Português

    Michaelis


    Tradutor Babylon


    Shopping UOL

    Hospedagem: UOL Host