UOL EducaçãoUOL Educação
UOL BUSCA

Biografias

Físico e químico inglês

Michael Faraday

22 de setembro de 1791, Newington Butts (Inglaterra)
25 de agosto de 1867, Hampton Court, Surrey (Inglaterra)

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

[creditofoto]

[creditofoto]

Deve-se a Faraday, a criação e divulgação de vocábulos, como aníon, cátion, íon, etc.

Filho de um modesto ferreiro, aos 14 anos Michael Faraday foi trabalhar como aprendiz numa loja de encadernação. Nessa época, sua instrução limitava-se aos rudimentos da aritmética e a algumas noções elementares de linguagem.

Familiarizando-se com os livros, Faraday passou a interessar-se pela leitura das obras científicas, particularmente as de química. Sua paixão pela nova ciência levou-o a assistir às conferências do químico Humphry Davy, na Royal Institution.

Um dos fregueses do seu patrão, conhecendo as tendências do jovem aprendiz de encadernador, chamou a atenção de Davy, o qual, anos depois, convidou-o para ser seu assistente.

Em companhia de Davy, Faraday viajou pela Europa, onde visitou os mais importantes centros de cultura. De volta à Inglaterra, passou a trabalhar assiduamente no laboratório da Royal Institution.
 

Motor eletromagnético

Por volta de 1821, atraído pela experiência de Öersted, que revelara que a corrente elétrica tinha a propriedade de modificar a direção de uma agulha magnética, Faraday verificou, invertendo a experiência do físico dinamarquês, que os magnetos exercem ação mecânica sobre os condutores percorridos pela corrente elétrica.

Para chegar a essa averiguação, Faraday colocara um ímã verticalmente sobre um banho de mercúrio, fazendo que uma de suas extremidades ficasse imersa no líquido. Ligando, então, um fio condutor ao mercúrio, fechando o circuito, observou que, quando o fio era móvel em torno de seu ponto de suspensão, descrevia círculos em volta do ímã. Caso contrário, fixando-se o fio e libertando o ímã, este girava em torno do fio.

Com essa experiência singela, mas de extraordinárias consequências para a tecnologia, Faraday criara o primeiro motor eletromagnético.

Dois anos depois, Faraday liquefez o cloro e, em 1824, graças à notoriedade alcançada por suas descobertas, foi eleito para a Royal Society, de Londres.

Prosseguindo em suas experiências, isolou o benzeno, em 1825. Por essa época, iniciou uma série de conferências semanais na Royal Institution, as quais representaram importante contribuição para o progresso dos estudos de química na Inglaterra, particularmente pelo vivo interesse que o cientista conseguiu despertar nos jovens estudantes.
 

Indução eletromagnética

Retomando os estudos sobre o eletromagnetismo, Faraday descobriu, a 29 de agosto de 1831, a indução eletromagnética. O fenômeno, já entrevisto por François Arago e por André-Marie Ampère, só foi definitiva e cientificamente explicado pelo físico inglês.

Utilizando um anel de ferro doce, no qual enrolou duas espiras, uma na metade superior e outra na inferior, uma das quais ligada a um galvanômetro, Faraday verificou que, se uma corrente elétrica passava na primeira espira, a outra era igualmente percorrida pela corrente, nos exatos momentos em que abria ou se fechava o circuito.

Faraday demonstrou, ainda, que as correntes induzidas não são criadas por influência do campo eletromagnético, mas pelas variações do campo ou pelos deslocamentos do circuito no campo.

As experiências que Faraday realizou, visando à caracterização das propriedades dos campos eletromagnéticos, conduziram-no, por volta de 1838, à definição da corrente elétrica como o resultado da vibração provocada pelas rápidas alternâncias da tensão nas moléculas dos bons condutores.

Mais tarde, em 1845, renunciou a essa hipótese das tensões eletrostáticas, voltando a atenção para o estudo das tensões eletromagnéticas.

Descobriu, então, que o plano de polarização de um feixe de luz polarizada, que atravessa um bloco de vidro, gira quando submetido a um forte campo magnético.

Verificou também que o ângulo de rotação do plano de polarização está relacionado ao módulo do campo magnético e com a espessura da substância, e depende ainda de uma constante, conhecida como constante de Verdet, e que é uma propriedade da substância, de sua temperatura e da frequência da luz.

Sempre avesso a honrarias, Faraday dedicou toda a vida à experimentação. Seus notáveis trabalhos e suas importantes descobertas consagraram-no como o mais ilustre representante da ciência experimental no século 19.

As concepções teóricas de Faraday, entre as quais a das linhas de força, serviram de base aos trabalhos do físico e matemático escocês James Clerk Maxwell e para o estabelecimento da moderna teoria das ondas eletromagnéticas.

Devemos, ainda, a Faraday, a criação e divulgação, na linguagem científica internacional, de inúmeros vocábulos, tais como aníon (ou ânion), ânodo, cátion, cátodo, eletrólito, íon, etc.
 

Enciclopédia Mirador Internacional; Oxford Dictionary of Scientists

Compartilhe:

    Receba notícias

    Lição de Casa Dicionários

    Aulete

    Português

    Houaiss

    Português

    Michaelis


    Tradutor Babylon


    Shopping UOL

    Hospedagem: UOL Host