UOL EducaçãoUOL Educação
UOL BUSCA

Biografias

Poeta brasileiro

Olavo Bilac

16/12/1865, Rio de Janeiro
28/12/1918, Rio de Janeiro

Da Redação
Em São Paulo

[creditofoto]

[creditofoto]

O escritor Olavo Bilac

Os amantes da literatura certamente aplaudem a decisão de Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac, que abandonou os cursos de medicina e direito para se dedicar à poesia. Além de poeta, foi jornalista, crítico, inspetor da Instrução Pública e membro do Conselho Superior do Departamento Federal. Pertenceu à Escola Parnasiana Brasileira, sendo um dos seus principais representantes, ao lado de Alberto de Oliveira e Raimundo Correia. Para os seus mais fervorosos admiradores, Olavo Bilac nasceu mesmo predestinado à poesia, pois o seu nome completo é um verso alexandrino (12 sílabas poéticas).

Membro-fundador da Academia Brasileira de Letras, ocupou a cadeira número 15 da entidade, cujo patrono é outro poeta: Gonçalves Dias. A sua preocupação em atingir a perfeição é refletida em alguns poemas, que possuem uma grande beleza pelo ritmo e sonoridade. Boêmio inveterado, Olavo Bilac também foi um dos maiores defensores da abolição da escravatura, unindo-se a José do Patrocínio.

Começou a ganhar fama entre os escritores brasileiros com a publicação de "Poesia" (1888). Doze anos mais tarde, seguiu para Paris como correspondente da publicação "Cidade do Rio". Encantando com a capital francesa, Olavo Bilac passou a visitar regularmente a cidade, nos anos seguintes.

Um dos fundadores da Liga da Defesa Nacional (da qual foi secretário-geral), lutou pelo serviço militar obrigatório, que considerava uma forma de combater o analfabetismo. Na adolescência, foi bastante influenciado pelos poetas franceses. Suas poesias revelam uma grande emoção, um certo erotismo e influência marcante da poesia portuguesa dos séculos 16 e 17. Nas duas primeiras décadas do século 20, os seus poemas eram declamados em saraus e salões literários, comuns na época

A correção da linguagem, o rigor da forma e a espontaneidade são as principais características de seus versos. Além de "Poesias", publicou também "Crônicas e Novelas", "Conferências Literárias", "Ironia e Piedade", entre outras obras, como crônicas, conferências literárias, discursos, livros infantis e didáticos. Olavo Bilac, autor do Hino à Bandeira Nacional, fez oposição ao governo do marechal Floriano Peixoto. Perseguido pelo governo do marechal, Olavo Bilac ficou um tempo escondido no interior de Minas Gerais. Quando regressou ao Rio, foi preso.

O talento literário de Olavo Bilac começou a ser notado quando ele tinha 19 anos. Em 1884, o seu soneto "Nero" foi publicado na "Gazeta de Notícias", à época um dos mais importantes jornais do Rio de Janeiro. No começo do século 20, o reconhecimento nacional: foi eleito o "príncipe dos poetas brasileiros", pela revista "Fon-Fon", que realizou um concurso. Um dos destaques de sua obra é o livro póstumo "Tarde", publicado em 1919, ano seguinte à sua morte. Olavo Bilac também fundou vários jornais, como "A Cigarra", "O Meio" e "A Rua", que tiveram vida efêmera.

Compartilhe:

    Receba notícias

    Lição de Casa Dicionários

    Aulete

    Português

    Houaiss

    Português

    Michaelis


    Tradutor Babylon


    Shopping UOL

    Hospedagem: UOL Host