Sexo: Corpo adulto em mente adolescente

Içami Tiba

Içami Tiba

Leia todos os artigos

Ainda hoje recebo alguns pedidos sobre como e quando falar sobre sexo com os filhos. Digo ainda hoje, pois o sexo deixou de ser tabu depois da revolução sexual e a internet rompeu fronteiras comportamentais, limites, barreiras e regras que regiam a vida sexual. Nunca chegaremos à vida sexual dos macacos que a nós parece como sendo da mais alta promiscuidade, pois desenvolvemos a civilidade sexual. Aparentemente os macacos fazem o que e quando têm vontade e os macaquinhos vão apreendendo o que os adultos fazem sexualmente à sua volta. A diferença entre os macacos e os humanos é destacada: nós, humanos, apreendemos e aprendemos o que podemos e o que não devemos, ou não, fazer, por termos o cérebro mais desenvolvido e a mente mais evoluída entre todos os seres vivos.

Na escala animal os seres mais desenvolvidos são os mamíferos e nenhum mamífero tem capacidade de reprodução enquanto não puder criar seus filhos. Os humanos são os únicos capazes de reproduzir sem estarem preparados para criar (proteger, sustentar e educar) seus filhos. Isto porque o tornar-se adulto biologicamente não corresponde à sua independência social. Na nossa história, as bisavós já no início da adolescência casavam com alguém que pudesse sustentar a si próprio e a sua família. Hoje, quando adolescentes engravidam, é gravidez precoce - uma vitória biológica, mas um fracasso familiar e social.

Apesar de o humano poder sobreviver sem vida sexual se esta for sua opção, ele terá de lutar bastante contra seus próprios hormônios que são fisiologicamente normais, pois fazem parte de nossa herança genética. É um lutar contra a biologia humana. Vida sexual envolve o prazer de usufruir da sexualidade sem ter a obrigatoriedade biológica da reprodução. Isto significa um prazer na sobrevivência que pode não envolver a perpetuação da espécie.

A natureza não faz nada de graça. Tudo tem uma relação de causa-efeito e uma razão de existir. Não fosse o prazer sexual tão intenso, talvez a nossa espécie estivesse ameaçada de extinção. Se não houvesse orgasmo, talvez os homens preferissem ficar lutando, competindo ou brigando entre si, o que lhes traz também muito prazer, do que ficar se dedicando a ter e cuidar de sua família.

O corpo biológico é facilmente “erotizável” física e psicologicamente. Esta erotização busca o prazer e não a gravidez. O que caracteriza a adolescência humana é o desenvolvimento e amadurecimento das características sexuais secundárias, ou seja, a busca da vida sexual mas não a reprodutiva.

É preciso estar bem orientada e ter conhecimentos para que não ocorra a gravidez precoce, as infecções sexualmente transmissíveis e a promiscuidade ou a mercantilização sexual. Para isso estão há as escolas, os pais, os cursos, a imprensa escrita e falada, a internet... Fontes não faltam. Hoje, os pais não são os únicos responsáveis pela educação sexual dos seus filhos, mas são os únicos a arcarem com as conseqüências dos seus maus usos da vida sexual. Basta acessar o Google e procurar Educação Sexual que em 0,19 segundos surgem 519.000 resultados. Mesmo no www.uol.com.br são milhares de citações para Educação Sexual.

Içami Tiba

Içami Tiba é psiquiatra e educador. Escreveu "Pais e Educadores de Alta Performance", "Quem Ama, Educa!" e mais 28 livro.

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos