DSTs: Conheça as principais doenças sexualmente transmissíveis

Alice Dantas Brites

As doenças sexualmente transmissíveis, conhecidas pela sigla DSTs, são doenças transmitidas, principalmente, através de relações sexuais com uma pessoa infectada - e sem o uso de métodos de barreira, como a camisinha e o preservativo feminino. O contágio por DSTs também pode ocorrer de mãe para filho, durante a gravidez ou parto, através do compartilhamento de seringas ou devido a uma transfusão de sangue infectado.

Os sintomas das DSTs são variados, assim como seus agentes causadores, que podem ser vírus, fungos ou bactérias. Algumas são de tratamento fácil e rápido, como, por exemplo, a gonorréia, enquanto outras, como a Aids, ainda não possuem uma cura definitiva e podem levar à morte.

A Organização Mundial de Saúde estima que ocorram 340 milhões de casos de DSTs por ano no mundo. Porém, a prevenção das DSTs não é complicada. E o uso de preservativos, que podem fornecer uma barreira física durante as relações sexuais, é o melhor método para prevenir o contágio. Além disso, consultas regulares ao urologista ou ginecologista são muito importantes para diagnosticar a presença de alguma DST e realizar o tratamento apropriado.

A seguir, veremos com mais detalhes os agentes infecciosos, os sintomas e o tratamento de algumas DSTs:

Aids

A Aids, ou síndrome da imunodeficiência adquirida, é uma doença causada pelo vírus HIV. O HIV ataca os linfócitos, células do sistema imunológico do ser humano, deixando-o mais susceptível a outras doenças, principalmente aquelas provocadas por vírus e bactérias.

Os sintomas da Aids podem demorar a se manifestar. Muitos portadores passam anos sem manifestar sinais da doença. Os sintomas são muito variados, pois estão relacionados ao comprometimento do sistema imunológico. Podem ocorrer, por exemplo, gripes constantes, perda de peso, febre e diarréia. O diagnóstico é realizado por meio de exames de sangue.

No estágio avançado da Aids, o número de linfócitos fica muito baixo e o indivíduo contrai facilmente as chamadas doenças oportunistas, como, por exemplo, gripe, pneumonia e tuberculose, que podem acabar sendo fatais.

A Aids ainda não possui uma cura definitiva. Seu tratamento é realizado por meio de um conjunto de medicamentos, popularmente conhecido como "coquetel", que tenta impedir a replicação do HIV. Também é importante tratar adequadamente as doenças oportunistas adquiridas.

Vírus do papiloma humano - HPV

O vírus do papiloma humano (HPV) é uma doença causada por alguns tipos de vírus que provocam lesões e verrugas - chamadas de papilomas - na vulva, na vagina, no colo do útero, no pênis ou no ânus. Alguns tipos de HPV podem levar ao desenvolvimento de câncer, principalmente de colo do útero.

O diagnóstico do HPV pode ser feito por meio de exames físicos realizados pelo médico, biópsias e, no caso das mulheres, por meio de um exame de rotina chamado papanicolau, que detecta alterações nas células uterinas.

Dependendo do tipo de HPV, o tratamento pode ser feito por meio da remoção cirúrgica ou da cauterização das lesões e verrugas, administração de medicamentos que melhoram o sistema imunológico e, no caso do câncer, de quimioterapia.

Gonorréia

A gonorréia é uma doença causada pela bactéria Neisseria gonorrheae, que provoca ardor ao urinar e secreções com odor desagradável na uretra ou na vagina. O período de incubação - ou seja, entre a contaminação (durante a relação sexual) e a manifestação dos sintomas - é curto, cerca de 2 a 10 dias.

O diagnóstico é feito por meio de exames físicos e da análise do histórico do paciente. Também são realizados exames laboratoriais, em que se analisam amostras da secreção, a fim de confirmar a presença da bactéria.

A gonorréia pode ser totalmente curada, desde que seja diagnosticada corretamente e tratada. O tratamento é realizado por meio da administração de antibióticos orais ou injetáveis. Porém, quando não tratada, a gonorréia pode levar a complicações como infertilidade e, nas mulheres, provocar uma doença inflamatória chamada de doença inflamatória pélvica, que pode ser fatal.

Sífilis

A sífilis é causada pela bactéria Treponema pallidum. A doença apresenta três estágios: sífilis primária, secundária e terciária. Após o contágio, o período de incubação é de cerca de um mês. Após este período surge o principal sintoma do estágio primário, uma lesão genital, geralmente na região da cabeça do pênis ou nos lábios vaginais, sem secreções e com a borda endurecida, conhecida como cancro duro ou úlcera genital.

Após a contaminação e a formação do cancro, a bactéria continua a se reproduzir no interior do organismo e passa a atingir outros órgãos. Essa disseminação da bactéria provoca feridas e manchas na pele por todo o corpo, caracterizando o estágio secundário da doença.

No estágio terciário, a sífilis provoca lesões maiores na pele e pode atingir o sistema nervoso, provocando problemas neurológicos e podendo levar à morte.

O diagnóstico é realizado por meio do exame físico, pelo médico, e de exames laboratoriais, realizados com amostras do cancro. O tratamento da sífilis é feito através da administração de penicilina, o primeiro antibiótico descoberto pelo homem. Recomenda-se que o paciente não mantenha relações sexuais sem proteção por um período de cerca de 15 dias após o final do tratamento, a fim de assegurar que todas as bactérias foram eliminadas.

Herpes genital

A herpes genital é causada pelo vírus da herpes simples (HSV) e provoca manchas, lesões e pequenas bolhas nas mucosas genitais.

Embora possa ser controlada, a herpes genital não pode ser eliminada do organismo. Assim, seus portadores apresentam uma série de episódios de manifestação da doença ao longo da vida. Em geral, a doença se manifesta em fases nas quais o sistema imunológico está baixo, como períodos de estresse e de cansaço extremo.

O diagnóstico é feito por meio da observação das lesões pelo médico e da análise laboratorial de material colhido das feridas. O tratamento é feito com o uso de medicamentos antivirais orais ou de uso tópico. Esses medicamentos não eliminam completamente o vírus, mas diminuem o tempo de manifestação dos sintomas e reduzem os incômodos provocados pelas lesões.

Alice Dantas Brites é professora de biologia.

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos