Raiz: Órgão vegetal absorve nutrientes

Alice Dantas Brites, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

A raiz, juntamente com o caule e as folhas, compõe a parte vegetativa das plantas, ou seja, aquela que não está envolvida na reprodução. Suas principais funções são a absorção de água e nutrientes e a fixação da planta no solo.
 

Álbum de Fotos
Veja Álbum de fotos

As raízes também são responsáveis pela produção de alguns hormônios vegetais, como é o caso da citosina, substância envolvida principalmente na multiplicação celular e no crescimento dos tecidos. E também existem raízes adaptadas a funções especiais, como armazenar substâncias de reserva e realizar trocas gasosas.

 

Classificação

De acordo com suas origens, as raízes podem ser classificadas em três tipos: primária, secundária e adventícia. As raízes primárias são aquelas originadas da radícula do embrião. As secundárias originam-se a partir de ramificações da raiz primária. Já as adventícias se originam a partir dos nós caulinares.

As raízes apresentam dois tipos de estruturação: o sistema axial (ou pivotante) e o sistema fasciculado (ou cabeleira). O sistema axial apresenta um eixo principal bem desenvolvido. Esse eixo cresce perpendicularmente ao solo e possui pequenas ramificações laterais. O sistema axial está presente nas dicotiledôneas. O sistema fasciculado não possui um eixo central e suas ramificações crescem em todas as direções. É característico das monocotiledôneas.

 

Crescimento primário

O crescimento primário ocorre na região apical e corresponde ao crescimento em comprimento da raiz. Essa região é recoberta por uma estrutura chamada de coifa. A coifa forma uma espécie de capa, que protege o meristema apical da raiz enquanto esta cresce e penetra no solo. O meristema apical da raiz corresponde a uma região de intensa proliferação celular.

Logo acima do meristema apical há uma zona na qual as células se tornam alongadas, promovendo o crescimento em comprimento da raiz: é a chamada região de alongamento. E, por fim, há a zona pilífera, ou região de maturação. Nela ocorre a diferenciação celular e a formação dos pelos radiculares.

 

Estrutura primária

Quando examinada em corte transversal, a raiz primária apresenta basicamente as seguintes camadas: epiderme, córtex e sistema vascular.

A epiderme é a camada mais externa. Ela é responsável pela absorção de água e nutrientes do solo e pela proteção da raiz. É formada por uma camada única de células e apresenta estruturas chamadas de pelos radiculares. Os pelos radiculares são prolongamentos de células epidérmicas que aumentam a superfície de contato e, consequentemente, a capacidade de absorção da raiz.

Abaixo da epiderme encontra-se o córtex. Na parte mais externa do córtex as células estão dispostas de forma bem espaçada e são unidas por plasmodesmas (canais citoplasmáticos que conectam células vizinhas). Essa região do córtex permite a circulação de ar, água e nutrientes.

Na parte mais interna do córtex encontra-se a endoderme. A endoderme é formada por uma camada de células compactadas. Suas células possuem as paredes laterais espessadas por estruturas formadas pelo depósito de suberina. Essas estruturas são chamadas de estrias de Caspary.

A presença das estrias de Caspary força a passagem da água e dos solutos oriundos da camada externa do córtex a atravessar as células da endoderme. Desta forma, a endoderme atua na seleção das substâncias que irão atingir o cilindro vascular.

Por fim, na região central, encontram-se os tecidos vasculares, ou seja, o xilema e o floema primários. O xilema situa-se mais internamente e emite projeções em direção à região externa. Intercalado com as projeções do xilema encontram-se pequenos agrupamentos de floema.

Envolvendo o xilema e o floema existe um tecido não vascular chamado periciclo. O periciclo é responsável pela formação das raízes laterais e, nas espécies com crescimento secundário, origina um tecido chamado felogênio.

 

Estrutura secundária

Na maioria das espécies de dicotiledôneas as raízes podem crescer também em espessura. É o chamado crescimento secundário da raiz.

Na estrutura secundária a epiderme é substituída pela periderme. A periderme é formada por três tecidos. O mais externo é o súber, composto por células mortas revestidas por suberina, substância lipídica que evita a perda de água. O mais interno é a feloderme, composta por tecido parenquimático. Entre os dois há o felogênio (ou câmbio da casca) que é responsável pela produção dos dois anteriores.

O xilema e floema secundários se originam a partir da divisão e diferenciação de um tecido meristemático chamado câmbio. O câmbio produz feixes de floema para fora e de xilema para o interior.

 

Adaptações

Algumas raízes apresentam adaptações para exercer funções especiais. A seguir veremos algumas delas: raízes tuberosas, raízes aéreas, raízes tabulares, velame e os haustórios.

As raízes tuberosas possuem uma grande quantidade de tecido parenquemático e armazenam substâncias de reserva, como, por exemplo, o amido. Essa reserva pode ser utilizada pela própria raiz ou por outras partes da planta. Várias raízes tuberosas são utilizadas na alimentação humana: a cenoura, a beterraba e a batata-doce, por exemplo.

As raízes aéreas apresentam geotropismo negativo, isto é, crescem na direção oposta ao solo. Dois exemplos de raízes áreas são as raízes de escora e os pneumatóforos. As raízes de escora auxiliam no suporte da planta e aumentam a absorção de água. Os pneumatóforos ocorrem em algumas espécies que habitam solos pobres em oxigênio, como é o caso do mangue. Eles possuem estruturas chamadas de pneumatódios, através dos quais realizam trocas gasosas.

A raiz tabular possui este nome por ser semelhante a uma série de tábuas dispostas ao redor do tronco. Ela auxilia na fixação e suporte de árvores de grande porte, como, por exemplo, as figueiras.

Outros tipos especiais de raízes são o velame e os haustórios. O velame é uma camada modificada de epiderme que reveste a raiz de plantas epífitas. Plantas epífitas são aquelas que vivem sobre outras plantas, ou algum outro substrato, mas não são parasitas. Através do velame a planta absorve a umidade proveniente da atmosfera. Já os haustórios são encontrados em plantas parasitas. Eles penetram na planta hospedeira, sugando nutrientes e água. Exemplos de haustórios são as raízes da erva-de-passarinho e do cipó-chumbo.

Alice Dantas Brites, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação é professora de biologia.

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos