Lógica - Analogia: Usando a semelhança como premissa

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

A analogia é o raciocínio que se desenvolve a partir da semelhança entre casos particulares. Através dele não se chega a uma conclusão geral, mas só a outra proposição particular. Além disso, assemelha-se à indução, mas considera somente um caso particular como ponto de partida.

Na nossa vida prática, são comuns as ações por analogia:


 

  • Se a minissaia fica bem numa atriz de TV, muitas espectadoras tendem a pensar que também ficaria bem nelas;
  • Se tal remédio fez bem para um amigo meu, logo deverá fazer bem a mim também;
  • Se fulana emagreceu com um tipo de regime da lua, logo cicrano também emagrecerá; e assim por diante.

    Com a esperança nem sempre válida de obter os mesmos resultados, fazemos muitas coisas que os outros fazem.

    Mas as analogias podem ser fortes ou fracas, de acordo com a semelhança entre os dois tipos de objetos comparados. Quando a semelhança entre os objetos se manifesta em áreas relevantes para o argumento, ou seja, que efetivamente contam para aquele caso, então a analogia tem mais força do que quando os objetos apresentam semelhanças não-relevantes para a conclusão.

    Uma analogia fundamental O raciocínio analógico não oferece certeza. Somente uma certa dose de probabilidade. Por outro lado, por exigir um salto muito grande, é onde se abre o espaço para a invenção, tanto artística quanto científica.

    Alexander Fleming inventou a penicilina ao ver que bactérias cultivadas em laboratório morriam em contato com o bolor que se formara por acaso. Raciocinando analogicamente, supôs que bactérias que causavam doenças ao corpo humano também pudessem ser destruídas por bolor.


Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos