População mundial: Ritmo de crescimento populacional desacelera

Ronaldo Decicino

A taxa de crescimento populacional na Terra, que hoje possui 6,5 bilhões de habitantes, caiu nos últimos anos se comparada com o avanço populacional no século passado. Enquanto em 1979 o crescimento era de 2,1% ao ano, atualmente essa taxa não é maior do que 1,3% por ano. Porém os números mostram disparidades entre países desenvolvidos e em desenvolvimento segundo análises da ONU (Organização das Nações Unidas).

Enquanto a população de países ricos cresce pouco (0,25% ao ano), a população de nações em desenvolvimento aumenta quase cinco vezes mais rápido. A evolução demográfica corresponde portanto a situações diferentes: nos países desenvolvidos há a tendência de que a população diminua ao passo em que nas nações em desenvolvimento a população deverá aumentar até 2050.

Disparidade

Como exemplo da disparidade podemos citar nações européias como Itália, Espanha e Portugal onde a população está diminuindo. Ao mesmo tempo, a África e o oeste da Ásia têm apresentado grande desenvolvimento populacional.

Na metade da década de 1990, a população mundial aumentava num ritmo de 82 milhões de pessoas por ano. Em 2004, a população mundial era de 6,4 bilhões de pessoas e aumentava a um ritmo anual de 1,3%, ou seja, 76 milhões de pessoas por ano.

Mantendo-se as atuais tendências demográficas, o mundo passará a ter aproximadamente 9 bilhões de habitantes em 2050. Metade do crescimento populacional terá como responsáveis apenas nove países (Índia, Paquistão, Bangladesh, Nigéria, República Democrática do Congo, Uganda, Etiópia, China e Estados Unidos). Com exceção dos EUA, todos os outros países são considerados pobres ou muitos pobres.

Causas

Este processo, conhecido como transição demográfica, se caracteriza pelo declínio da mortalidade, seguido pelo da fecundidade, com pessoas vivendo por mais tempo e menos crianças nascendo ao mesmo tempo que a proporção de idosos aumenta a cada ano, como resultado na melhoria das condições de vida da população. A expectativa de vida aumentou em mais de 20 anos nas últimas cinco décadas.

Outros fatores dessa desaceleração é a redução do número de filhos por mulher decorrente do uso de métodos contraceptivos; o tratamento de água; a incidência dos surtos de fome que vêm diminuindo em muitos países graças à revolução tecnológica no setor agrícola; e o maior acesso aos serviços de educação e saúde.

De maneira geral, o grande flagelo da fome que seria gerado como conseqüência da explosão demográfica anunciada, não ocorreu. As situações de desnutrição em muitos países estão relacionadas à negligência ou falha humana. A princípio, nosso planeta pode fornecer espaço e alimento para pelo menos 3 bilhões a mais de pessoas das que existem atualmente.


 

 

Ronaldo Decicino é professor de geografia do ensino fundamental e médio da rede privada.



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos