China antiga (1): O Rio Amarelo e as origens da civilização chinesa

Túlio Vilela

A civilização chinesa é uma das mais antigas conhecidas, quase tão antiga quanto as que existiram no Egito e na Mesopotâmia. O Império chinês já existia muitos séculos antes de Roma se tornar uma das maiores potências do mundo antigo e continuou existindo séculos após a queda do Império romano.

Assim como a cultura grega serviu de modelo e inspiração para diversos povos do Ocidente, a cultura chinesa influenciou o desenvolvimento cultural de diversos países vizinhos, dentre os quais, o Japão e a Coreia. Os chineses também foram responsáveis pela descoberta da pólvora e pelas invenções do papel e da bússola.

Não bastasse tudo isso, a cultura chinesa sobrevive em nossos dias e, segundo muitos analistas econômicos, a China deverá se tornar em décadas futuras a maior economia do mundo, posição atualmente ocupada pelos Estados Unidos. Que tal conhecer um pouco mais a respeito do passado dessa civilização fascinante?

Homem de Pequim

A China atual é um país continental, ou seja, seu território é muito grande. A presença de grupos humanos no território que hoje é a China é bastante remota. Só para se ter uma ideia, foi lá que foram achados os vestígios fósseis do chamado Homem de Pequim, cujo nome científico é Homo erectus pekinensis, um dos mais antigos hominídeos (a família a qual pertence a nossa espécie). Esse nosso provável antepassado viveu há mais de 400 mil anos, andava ereto e é possível que já soubesse utilizar o fogo.

Na parte leste do território que veio a se tornar a nação chinesa, é onde se encontra a chamada Grande Planície de China. Dois rios que nascem nas montanhas, correm por ela: o Huang-Ho (também chamado de rio Amarelo) e o Yang-Tsé-Kiang. Semelhante ao que ocorreu no Egito em relação ao rio Nilo, o rio Huang-Ho favoreceu o desenvolvimento da agricultura e o surgimento de cidades na região.

Esse rio se torna muito raso e arenoso durante as secas. Após as chuvas, ele se enche e cobre as planícies por dezenas e mesmo centenas de quilômetros. Quando isso acontecia, os camponeses aproveitavam para irrigar as terras. Além disso, uma espécie de poeira fina e amarela, trazida de longe pelo vento, ajudava a fertilizar as terras.

Às margens do rio Amarelo

Durante muito tempo, acreditou-se que as margens do rio Huang-Ho foram o berço de toda a civilização chinesa. Escavações arqueológicas mais recentes levaram os historiadores a concluírem que as margens do rio Huang-Ho foram apenas um dos centros de difusão de uma das várias culturas que originou a civilização chinesa.

Em 1986, foram encontrados no sudoeste da China, na vila de Sanxingdui, objetos de bronze da mesma época da Dinastia Shang (aproximadamente 1500-1050 a.C.), mas com um estilo muito diferente do de objetos da mesma época encontrados no leste do país. Esses e outros achados são exemplos de que o processo de povoamento e o desenvolvimento cultural da China antiga foram muito mais complexos do que se imaginava.

A ênfase exagerada no estudo das populações que viviam próximas ao rio Huang-Ho, fez com que os arqueólogos não dessem a a devida atenção ao estudo das populações que viviam em outras regiões da China. Atualmente, esse erro está sendo corrigido. Exemplo disso é a atenção que vem sendo dada ao estudo da culturas que se desenvolveram no vale do rio Yang-Tsé-Kiang, que também era muito fértil.

No passado, esse vale era coberto por densas florestas. O vale do Yang-Tsé-Kiang era um dos vários importantes centros culturais da China Antiga. Alguns historiadores chineses chegam até a afirmar que a cultura surgida no vale do Yang-Tsé-Kiang chegava a ser tecnicamente superior à surgida nas margens do rio Huang-Ho.

Dificuldades geográficas

Na China Antiga, os grupos que viviam na parte oeste tiveram um desenvolvimento bem diferente daquele dos grupos que viviam próximos das margens do rios Huang-Ho e Yang-Tsé-Kiang. Em parte, isso pode ser explicado pelo fato de que os grupos que viviam no oeste encontraram condições geográficas mais adversas e tiveram que encontrar outras soluções para sobreviverem.

Quanto mais ao oeste da China nos dirigimos, menos chuvas ocorrem. Por isso, secas severas são comuns no oeste do país, que é uma região montanhosa, coberta por estepes e desertos. Isso dificultava as viagens e travessias, tornando-as mais árduas e perigosas.

Enquanto as condições geográficas no leste favoreceram o surgimento de grupos sedentários que se dedicavam ao cultivo do arroz e de outros cereais, as condições geográficas no oeste favoreceram o surgimento de grupos nômades.

As primeiras dinastias

Diferentes linhagens de reis e imperadores governaram a China. Costuma-se dividir a história da China Antiga nos períodos em que cada uma dessas linhagens ou dinastias governou o país. Por sua vez, podemos dividir esses períodos em duas épocas: Época da três dinastias régias e Época Imperial, que durou de 221 a.C. ao ano 1911 da nossa Era.

Por razões de espaço e para não fugir do tema China antiga, trataremos a seguir apenas das cinco primeiras dinastias.

Túlio Vilela formado em história pela USP, é professor da rede pública do Estado de São Paulo e um dos autores de "Como Usar as Histórias em Quadrinhos na Sala de Aula" (Editora Contexto).

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos