UOL EducaçãoUOL Educação
UOL BUSCA

História do Brasil

Integralismo

A Ação Integralista Brasileira (AIB)

Vitor Amorim de Angelo*
Especial para Página 3 Pedagogia & Comunicação
Reprodução

O jornalista Plínio Salgado foi um dos principais líderes integralistas

Integralismo é uma corrente do pensamento político contemporâneo surgida na Europa no início do século passado. Em linhas gerais, o integralismo pode ser caracterizado pela sua associação à moral religiosa, pelo seu apelo nacionalista e, principalmente, pela defesa da hierarquização social como forma de manter a ordem e a paz internas.

Além disso, seus seguidores também acreditam que uma sociedade deve fundamentar-se na meritocracia, respeitando as aptidões individuais. Originalmente, o integralismo pregava o antiliberalismo, contrapondo-o ao fortalecimento do Estado, e à participação popular, mas numa concepção bem diferente daquela praticada no início do século 20.

Na época, especialmente na Europa, havia uma integração cada vez maior da população como um todo no sistema político-social. Parte desse contingente, formado por trabalhadores, acabou sendo capitaneado por doutrinas socialistas, comunistas ou anarquistas. Ao contrário dessas correntes de pensamento, o integralismo defendia a participação popular, mas através dos apelos irracionais dos mitos e símbolos que representavam o nacionalismo que seus partidários tanto defendiam.

Integralismo no Brasil

As idéias integralistas chegaram ao Brasil nos anos 1930 e tiveram enorme repercussão entre as camadas médias urbanas e intelectuais do país. O integralismo brasileiro não apenas contrapôs-se às instituições liberais, que desde a Proclamação da República vigoravam na ordem política nacional, mas também combateu o nascente movimento comunista.

Na medida em que teve grande receptividade na cidade e no campo, contando com um elevado número de militantes - num país em que a participação política era bastante restrita -, o integralismo representou um dos primeiros e mais importantes movimentos de expressão política. Ao mesmo tempo, a atuação nacional que conseguira alcançar contrastava com o perfil dos partidos políticos brasileiros da época, distantes da maioria da população e com uma atividade apenas regional.

No Brasil, a tentativa de integrar toda a população sob as idéias de um Estado forte, de uma sociedade hierarquizada e de um país nacionalista foram simbolizadas de diversas formas. Desde a bandeira estampando a letra sigma (∑), que em matemática representa a soma de todas as partes, à forma de cumprimento entre os integralistas: "Anauê", que em tupi significa "Você é meu irmão".

Ação Integralista Brasileira

O integralismo ganhou força no Brasil na mesma época em que Getúlio Vargas chegava ao governo federal. Portanto, na medida em que as idéias integralistas se associavam bastante aos ideários varguistas, os "camisas-verdes", como eram chamados os integralistas brasileiros, logo se transformaram numa das bases de sustentação político-ideológica do governo Vargas - embora essa relação nem sempre tenha sido harmoniosa.

Em outubro de 1932, os integralistas criaram seu próprio partido político: a Ação Integralista Brasileira (AIB). A fundação da AIB foi precedida pela criação da Sociedade de Estudos Políticos, reunindo intelectuais de tendências políticas conservadoras. Desde o início, os principais líderes da AIB foram os juristas Gustavo Barroso e Miguel Reale e o jornalista Plínio Salgado.

Em 1937, o nome de Salgado foi lançado pela AIB como o candidato do partido à sucessão de Vargas. Entretanto, a divulgação do Plano Cohen acabou fortalecendo o governo de Getúlio, que, diante da ameaça revolucionária comunista, deu um golpe de Estado em novembro daquele ano.

O golpe contou com o apoio da AIB, que, contrária ao comunismo, esperava ver nomeado para o cargo de ministro da Educação seu dirigente, Plínio Salgado. Porém, com o início do Estado Novo, Vargas não apenas frustrou a expectativa dos integralistas, como também determinou o fechamento de todos os partidos políticos que existiam na época, incluindo a AIB.

Assim, em 11 maio de 1938, um grupo de cerca de 80 integralistas tentou invadir o Palácio da Guanabara, residência oficial do presidente da República, no episódio que ficou conhecido como Levante Integralista. O objetivo dos integralistas era depor o presidente e reabrir a AIB, o que acabaram não conseguindo. O partido seguiu fechado durante todo o governo de Getúlio e o presidente, longe de ser afastado do poder, sufocou a rebelião.

No saldo final, vários dos integralistas que participaram do levante foram presos ou mortos. Depois do dia 11, milhares de militantes da AIB também foram presos em várias partes do país, numa seqüência de perseguições por parte do governo Vargas, que incluiu não apenas os integralistas.

A Plínio Salgado, por sua vez, sem a possibilidade de disputar a presidência nem o almejado cargo de ministro, restou o exílio em Portugal, de onde só voltaria em 1946, após o fim do Estado Novo varguista.
*Vitor Amorim de Angelo é historiador, mestre e doutorando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Carlos. Atualmente, é professor de história da Universidade Federal de Uberlândia.
Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Compartilhe:

    Receba notícias

    Biografias Datas Comemorativas Revistas e Sites Revisão Testes e Simulados Vídeos

    Porta Curtas

    Procure um filme por tema, nome do diretor, ano de produção ou outra palavra-chave

    Dicionários

    Aulete

    Português

    Houaiss

    Português

    Michaelis


    Tradutor Babylon


    Shopping UOL

    Hospedagem: UOL Host