UOL EducaçãoUOL Educação
UOL BUSCA

Últimas Notícias

16/06/2009 - 15h52

Marilena Chaui critica dois episódios da PM na USP "em apenas uma gestão"

Ana Okada
Em São Paulo
Atualizada às 16h08

Na manhã desta terça (16), a filósofa Marilena Chaui criticou a a entrada da polícia no campus em dois episódios "em apenas uma gestão". Ela se refere ao confronto entre PMs e manifestantes em 9 de junho e à entrada da PM na Faculdade de Direito, em 2007. A "gestão" é a da reitora Suely Vilela.

Intelectual renomada, Chaui participou - juntamente com outro emérito da USP, Antonio Candido - de um ato organizado pela Adusp, contra a presença e atuação da PM no campus. Ambos são professores da universidade. Mais de 1.000 pessoas estiveram presentes, segundo a assessoria da Adusp (Associação dos Docentes da USP). Os professores pedem também a saída da reitora.

  • E você? Concorda com a professora?

  • Para ela, a greve faz parte da história da universidade e defendeu mudança da "imagem passada pela mídia de que se está impedindo os estudantes de estudar". Os funcionários da USP estão em
    greve desde o dia 5 de maio e os professores, desde 5 de junho.

    Antonio Candido

    Para Candido, a ação dos policiais dentro da instituição é um "atentado aos direitos mais sagrados que a pessoa tem de discutir, debater e agir sem nenhuma pressão externa". Para ele, "o importante são as redefinições" que podem vir a ocorrer com a movimentação entre professores e estudantes.

    Aos 90 anos, ele contou que a USP foi uma "revolução cultural" na época em que ele entrou na instituição, em 1937, pois contribui para a mudança de paradigmas nas ciências sociais, com a introdução de estudos sobre a classe menos favorecida. "Essa mentalidade tem que ser mantida. Não se esqueçam que suas lutas devem aproximar a universidade da realidade social do país", finalizou o professor.

    Por quê?

    Para Chaui, é preciso mudar a estrutura da universidade, na qual "fóruns e congregações foram esvaziados" e o poder foi centralizado: "nós não temos mais nenhum poder de decisão". "Por que essa resposta [ação da polícia] se tornou a forma natural de reagir? Porque não temos mais fóruns de decisão coletiva, de debate. É preciso recuperar esses espaços", disse.

    Outro ponto criticado por Marilena Chaui foi o ensino a distância. A filósofa diz que o novo curso não visa a formação, mas apenas preencher rapidamente as lacunas de falta de formação de boa parte dos docentes.

    Estiveram presentes no ato também o deputado estadual Carlos Giannazi (PSOL) e o delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz.
    Leia mais
    USP, Unesp e Unicamp devem reabrir negociações na 2ª
    Estudantes decidem manter greve pela saída da PM do campus
    Diretores de unidades da USP divulgam manifesto em defesa da reitora
    Para Serra, PM não cometeu excessos durante confronto na USP
    Professores da USP pedem saída da reitora
    Após confronto, reitoria da USP amanhece vigiada pela PM
    PMs e manifestantes entram em confronto na USP
    Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

    Compartilhe:

      Receba notícias

      Lição de Casa Dicionários

      Aulete

      Português

      Houaiss

      Português

      Michaelis


      Tradutor Babylon


      Intercâmbio

      Shopping UOL

      Hospedagem: UOL Host