UOL EducaçãoUOL Educação
UOL BUSCA

Últimas Notícias

16/10/2009 - 16h05

Salário médio do professor é de R$ 1.527, diz MEC; 16 Estados pagam menos que esse valor

Da Redação
Em São Paulo
Atualizada às 16h58

Os salários mais baixos destinados a professores da educação básica da rede pública, excluindo o sistema de ensino federal, estão em Pernambuco. É o que revela estudo do MEC (Ministério da Educação) divulgado nesta quinta-feira (15).

A média nacional de salários de professores da educação básica no país está em R$ 1.527. Ao todo, 16 Estados pagam valores inferiores a esta quantia.

  • MEC divulga média salarial dos professores da educação básica; você concorda com os números?

  • Salário médio dos professores da Educação Básica brasileira
    Distrito FederalR$ 3.360
    Rio de JaneiroR$ 2.004
    São PauloR$ 1.845
    Mato Grosso do SulR$ 1.759
    RoraimaR$ 1.751
    Rio Grande do SulR$ 1.658
    ParanáR$ 1.633
    AcreR$ 1.623
    AmapáR$ 1.615
    SergipeR$ 1.611
    AmazonasR$ 1.598
    TocantinsR$ 1.483
    Minas GeraisR$ 1.443
    Mato GrossoR$ 1.422
    ParáR$ 1.417
    Espírito SantoR$ 1.401
    RondôniaR$ 1.371
    Santa CatarinaR$ 1.366
    GoiásR$ 1.364
    MaranhãoR$ 1.313
    AlagoasR$ 1.298
    Rio Grande do NorteR$ 1.232
    CearáR$ 1.146
    BahiaR$ 1.136
    PiauíR$ 1.105
    ParaíbaR$ 1.057
    PernambucoR$ 982
    BrasilR$ 1.527
    Estado2008
    De acordo com os dados da pasta, em Pernambuco, um docente ganha em média R$ 982. As informações do ministério mostram que os mais bem-remunerados estão no Distrito Federal, com salário médio de R$ 3.360. Os dados levam em conta a renda do trabalho padronizada para uma jornada de 40 horas semanais.

    No Sudeste, a rede pública do Rio de Janeiro remunera melhor seu magistério do que São Paulo. No RJ um docente ganha, em média, R$ 2.004; seu colega paulista recebe R$ 1.845. Os fluminenses e os paulistas seguem o Distrito Federal no ranking da remuneração.

    Com os piores salários estão Estados do Nordeste. Pouco melhor que Pernambuco está a Paraíba, com remuneração média de R$ 1.057 e, em seguida, o Piauí, com salário médio de R$ 1.105.

    CNTE contesta valores

    Para o presidente da CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação), Roberto Leão, os valores não correspondem à realidade. "Essas contas do ministério me assustam muito. Queria saber onde conseguiram esta fábula", afirma.

    Segundo Leão, o salário médio nacional observado pela categoria está em torno de R$ 920. "O próprio ministério fala que o piso de R$ 950 iria melhorar a condição de 40% dos professores. Como é possível que o piso seja superior a R$ 1.500?", questiona.

  • Pesquisa mostra que alunos preferem professores a instituições de ensino
  • Magistério começa a ter dignidade resgatada no Brasil, dizem especialistas
  • Para consultor da Unesco, cenário sobre professores no Brasil é preocupante
  • CNTE aponta envelhecimento de docentes e desinteresse pelo magistério

  • Piso nacional ainda é polêmica

    Apesar da lei que estabeleceu o piso nacional do magistério, seu pagamento ainda é controverso. A lei exige que cada Estado pague, no mínimo, R$ 950. No entanto, este valor deve ser corrigido anualmente.

    Para a CNTE o piso, hoje, é R$ 1.132. "Está uma bagunça generalizada. Queremos que esse valor seja pago para uma jornada de, no máximo, 40 horas. Há Estados que pagam menos e outros que estão até reduzindo a remuneração dos professores", afirma Leão.
    Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

    Compartilhe:

      Receba notícias

      Lição de Casa Dicionários

      Aulete

      Português

      Houaiss

      Português

      Michaelis


      Tradutor Babylon


      Intercâmbio

      Shopping UOL

      Hospedagem: UOL Host