UOL EducaçãoUOL Educação
UOL BUSCA

Artes

Frans Krajcberg

Arte como ativismo ambiental

Valéria Peixoto de Alencar*
Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação
Reprodução

A obra de Frans Krajcberg une arte e ativismo ambiental

O pintor, escultor, gravador e fotógrafo Frans Krajcberg (foto abaixo) nasceu na Polônia, em 1921, mas com a invasão de seu país pelo exército nazista, no início da Segunda Guerra Mundial, refugiou-se na Rússia e lá estudou Artes e Engenharia.

Em 1941, engajou-se no exército polonês e lutou na guerra até seu fim, em 1945, quando passou a morar na Alemanha, seguindo seus estudos na Academia de Belas Artes de Stuttgart.

Krajcberg chegou ao Brasil em 1948. Seu trabalho como artista abstrato lhe rendeu um convite para participar da primeira Bienal Internacional de Artes de São Paulo, em 1951.

Durante a década de 1950 continuou sua obra abstracionista, porém, no final dos anos 50 e início dos 60 começou a produzir trabalhos resultantes do contato com a natureza, naturalizou-se brasileiro em 1957 e, durante a década de 1960, chegou a morar em uma caverna no interior de Minas Gerais, na região de Itabirito.

Vivia solitário, sem nenhum tipo de infraestrutura, numa tentativa de comunhão com a natureza, e era conhecido como o "barbudo das pedras". Nesse período, produziu muitas gravuras e esculturas em pedra, e realizava experiências na fabricação de pigmentos extraídos da natureza.

No mesmo período, fez diversas viagens à Amazônia e ao Pantanal mato-grossense, locais onde o desmatamento excessivo lhe chamou a atenção. Além de fotografar a destruição ambiental, recolhia material para execução de suas esculturas, como raízes e troncos de árvores mortas, provenientes de derrubadas e queimadas.

Reprodução
Frans Krajcberg. Flor do Mangue, 1965. Madeira.

Foi graças a obras como a colocada acima que Krajcberg passou a ser internacionalmente conhecido, a partir da década de 1970, época em que começaram os movimentos pela preservação do meio ambiente e a preocupação com a ecologia no mundo.

Atualmente, Krajcberg vive na Bahia, onde possui um ateliê. Dedica-se mais à fotografia, mas durante sua carreira preocupou-se em denunciar as queimadas e o desmatamento no território brasileiro, especialmente no Paraná e na Amazônia. Também denunciou a exploração de minérios em Minas Gerais, além de defender as tartarugas marinhas que buscam o litoral do município de Nova Viçosa (onde o artista reside) em seu período de desova e as baleias jubarte que visitam o mesmo local anualmente.

Reprodução
Frans Krajcberg. Troncos (Amazônia). S.d. Matriz-negativo.

O trabalho desenvolvido por Krajcberg, além de ser um olhar bastante poético, especialmente sobre a natureza, propõe uma reflexão sobre as principais questões ecológicas.
*Valéria Peixoto de Alencar é historiadora formada pela USP e mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da Unesp. É uma das autoras do livro "Arte-educação: experiências, questões e possibilidades" (Editora Expressão e Arte).
Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Compartilhe:

    Receba notícias

    Vídeos

    Porta Curtas

    Procure um filme por tema, nome do diretor, ano de produção ou outra palavra-chave

    Biografias Datas Comemorativas Revistas e Sites Museus

    Veja acervo e serviços de museus brasileiros e estrangeiros

    Fotos

    Galerias, exposições, mostras, festivais e outros eventos

    Dicionários

    Aulete

    Português

    Houaiss

    Português

    Michaelis


    Tradutor Babylon


    Shopping UOL

    Hospedagem: UOL Host