UOL EducaçãoUOL Educação
UOL BUSCA

Artes

Hélio Oiticica

A antiarte

Valéria Peixoto de Alencar*
Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação
Observar uma obra de arte nos remete, inicialmente, à idéia de contemplação estática do objeto, seja um quadro ou uma escultura. A visão seria o único sentido por nós utilizado, e a interação com a obra passaria pelo intelecto, isto é, pensamentos, conversas, questionamentos.

Na década de 1960, muitos artistas se preocuparam em produzir a "antiarte", ou seja, obras de arte que rompiam com a idéia de contemplação estática e propunham uma apreciação sensorial mais ampla, por meio do tato, do olfato, da audição e, até mesmo, do paladar.

No Brasil, dois artistas representativos desse período foram Lygia Clark e Hélio Oiticica.

Parangolés e Penetráveis

Assim como Lygia Clark, que provocou o espectador, convidando-o a tocar e formar uma nova obra com a série Bichos, o carioca Hélio Oiticica criou os parangolés, que ele denominava de "antiarte por excelência": uma espécie de capa da qual só é possível ver plenamente os tons, formas, texturas e materiais a partir dos movimentos de quem a veste.

Reprodução
Parangolé P4 Capa 1, 1964. Nildo da Mangueira veste Parangolé. Materiais diversos.

Um dos motivos que inspiraram a criação dos parangolés foi a relação de Oiticica com o samba. Para o artista, o espectador deveria abandonar o estado de contemplação e vestir a obra de arte - só assim ela faria sentido.

Na época, quem "vestia" os parangolés era o público que visitava as exposições e pessoas que Oiticica encontrasse nas ruas ou em qualquer lugar em que mostrasse sua arte. Hoje em dia, devido ao valor histórico, a obra não pode ser manipulada ou vestida.

Outra obra muito importante de Oiticica foi o penetrável, termo utilizado pelo artista para se referir ao que chamamos hoje de instalação.

O penetrável é um espaço labiríntico onde o espectador entra e passa por experiências sensoriais de tato, olfato, audição e paladar, além da visão. Aqui também, como no caso dos parangolés, a obra de arte não deve ser apenas observada, mas vivenciada.

O penetrável mais famoso de Oiticica foi Tropicália, obra que inspirou e ajudou a consolidar a estética do movimento tropicalista, nos anos de 1960 a 1970.

Reprodução
Tropicália, 1967.

Dica de site


  • Tropicália
  • Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

    Compartilhe:

      Receba notícias

      Vídeos

      Porta Curtas

      Procure um filme por tema, nome do diretor, ano de produção ou outra palavra-chave

      Biografias Datas Comemorativas Revistas e Sites Museus

      Veja acervo e serviços de museus brasileiros e estrangeiros

      Fotos

      Galerias, exposições, mostras, festivais e outros eventos

      Dicionários

      Aulete

      Português

      Houaiss

      Português

      Michaelis


      Tradutor Babylon


      Shopping UOL

      Hospedagem: UOL Host