UOL EducaçãoUOL Educação
UOL BUSCA

Atualidades

19/11/2009 - 20h00

Apagão

O Brasil nas sombras

José Renato Salatiel*
Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação
Página 3

10 e 11 de novembro de 2009: o Brasil à luz de velas

O blecaute que atingiu 18 estados e afetou 70 milhões de brasileiros entre a noite de 10 e a madrugada de 11 de novembro de 2009 foi considerado o mais grave nos últimos dez anos. O apagão, cujas causas são investigadas, também levantou suspeitas sobre eventuais falhas no sistema de distribuição de energia no país.

Direto ao ponto: Ficha-resumo

Energia elétrica é um dos fatores que garantem o desenvolvimento de uma nação. Dela depende o funcionamento da indústria, do comércio, das comunicações e do transporte. Além disso, nunca o ser humano esteve tão ligado a aparelhos eletrônicos para trabalho, estudo, lazer e convívio social.

A pane que deixou boa parte do país às escuras durou entre quatro minutos, em Sergipe, e 7h17, no Rio de Janeiro. Os Estados mais afetados foram Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo e Mato Grosso do Sul. Outros tiveram blecaute apenas parcial. O Paraguai ficou meia hora sem energia.

Somente em São Paulo, 41,8 milhões de pessoas ficaram sem luz, o que equivale a mais da metade do total de brasileiros atingidos pelo incidente.

Em março de 1999, um blecaute abrangeu mais de 60% do território nacional, incluindo 10 estados. A causa teria sido a queda de um raio na subestação de energia elétrica da Companhia Energética de São Paulo (Cesp) em Bauru (SP). Em 2001, a falta de chuvas e investimentos no setor trouxe risco de novos apagões. Por isso, o governo promoveu um racionamento de energia, suspenso em 2002.

Com os reservatórios das usinas hidrelétricas cheios e a situação econômica estável, o país foi pego de surpresa pelo apagão da semana passada. O que o teria provocado? E por que o sistema de energia elétrica brasileiro continua vulnerável?

Como funciona

A energia elétrica no Brasil é gerada em usinas hidrelétricas, que aproveitam a água de rios, e termelétricas, movidas a diesel, óleo, gás, carvão ou biomassa. Ela é distribuída por linhas de transmissão até subestações e, depois, para as cidades.

De acordo com dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a capacidade de produção no país é de aproximadamente 105,9 mil MW. Desse total, as hidrelétricas fornecem 75,2 mil MW (71%) e as termelétricas, 25 mil MW (23,6%).

O modelo de distribuição adotado no país é chamado Sistema Interligado Nacional (SIN). Como o Brasil tem regiões com climas diversos, com períodos de secas e chuvas em diferentes regiões, as usinas são interligadas por meio de redes de transmissão. Assim, se um período de seca no Sul afetar a produção de uma hidrelétrica, a região Norte pode suprir a demanda com a produção de suas usinas.

O SIN, em proporção, é único no mundo. Ele se divide em dois subsistemas: o Sul/Sudeste/Centro-Oeste e o Norte/Nordeste.

Somente uma parcela da região Norte do país, que corresponde a 3,4% da capacidade de produção elétrica, não faz parte do SIN. Em tais localidades, a energia é gerada por termelétricas movidas a diesel, que são mais poluentes (emitem gás carbônico) e encarecem as contas de luz.

O maior benefício do SIN, portanto, é a economia. Cidades do Nordeste, por exemplo, podem receber energia de usinas hidrelétricas do Sudeste no período de seca. Do mesmo modo, as termelétricas do Nordeste são acionadas quando há risco de faltar água nos reservatórios das hidrelétricas.

Por outro lado, a conexão facilita a propagação de blecautes no sistema, num "efeito dominó". Uma pane em determinada estação pode se espalhar rapidamente para as demais, afetando todo o território nacional. Foi isso o que aconteceu no apagão de novembro de 2009.

Causas

Segundo o Ministério de Minas e Energia, o blecaute ocorreu em razão de um curto-circuito que desligou três linhas de transmissão da hidrelétrica de Itaipu, por volta das 22h13 do dia 10 de novembro. Duas linhas ligam as subestações de Ivaiporã (PR) a Itaberá (SP) - e outra de Itaberá a Tijuco Preto (SP).

Como o sistema nacional é interligado, a pane em Itaipu, que gera 19,3% de toda energia elétrica do país, levou ao desligamento das subestações. De acordo com o governo, a principal hipótese para a causa do curto-circuito nas linhas de transmissão teria sido a queda de raios. Havia fortes chuvas na região de Itaberá, na noite do apagão.

A falha afetou o sistema de segurança que deveria impedir a queda das demais usinas e linhas de transmissão de energia. Quando há um problema em determinado ponto das linhas de transmissão, o sistema de segurança bloqueia o ramal e isola o blecaute, evitando o "efeito dominó". Como a energia continuou sendo transmitida, mesmo com a pane, Itaipu desligou para evitar sobrecarga. E como todo o sistema é conectado, isso afetou a subestação do Norte/Nordeste. Portanto, somente o relatório final das investigações irá atestar os motivos do incidente.

Soluções

Para especialistas, a solução para evitar novos apagões seria melhorar a segurança. Isso poderia ser feito construindo linhas "reservas" ou descentralizando o sistema de geração e transmissão de energia elétrica.

O problema é que isso encareceria os serviços e o consumidor acabaria pagando contas de valores mais altos. Ou seja, o brasileiro teria que arcar com as despesas de um sistema mais seguro.

Outra saída envolve o investimento em energias alternativas, como solar ou eólica (dos ventos). Uma cidade que possuísse uma usina baseada nesses tipos de energia poderia manter a geração e distribuição de energia elétrica no caso de um apagão.

A queda de investimentos no setor também teria contribuído para a fragilidade do sistema. De acordo com a ONG Contas Públicas, houve uma redução correspondente a 0,27% do Produto Interno Bruto (PIB), em 1999, para 0,13%, em 2008. O governo bloqueou também R$ 5,8 bilhões do orçamento de R$ 24 bilhões do Ministério de Minas e Energia para este ano, o que corresponde a 24,2% do total destinado ao setor elétrico.

Em resumo, o sistema energético brasileiro é bom: gera energia limpa e econômica. Mas possui falhas que provocam apagões de tempos em tempos. Corrigir essas falhas exige mais investimentos, qualidade de gestão e políticas públicas, isto é, uma clara visão do governo do que precisa ser feito e de em quais áreas as verbas devem ser aplicadas.

Direto ao ponto volta ao topo
O apagão ocorrido entre a noite do dia 10 e a madrugada do dia 11 de novembro de 2009 atingiu 18 Estados e afetou 70 milhões de brasileiros. O blecaute durou entre 4 minutos, em Sergipe, e 7h17, no Rio de Janeiro. Os Estados mais afetados foram Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo e Mato Grosso do Sul. Outros 14 tiveram blecaute apenas parcial, além do Paraguai, que ficou meia hora sem energia.

Segundo o Ministério de Minas e Energia, o blecaute ocorreu em razão de um curto-circuito que desligou as linhas de transmissão da hidrelétrica de Itaipu. O curto teria sido provocado pela queda de raios. As verdadeiras razões da falha, contudo, ainda estão sendo estudadas. Portanto, somente o relatório final das investigações irá atestar os motivos do incidente.

Para especialistas, para se evitar novos apagões seria preciso:

Melhorias na segurança
Descentralização do sistema
Apoio às energias alternativas
Mais investimentos no setor

Saiba mais

  • A Guerra do Apagão: a crise de energia elétrica no Brasil (SENAC): livro do jornalista Alex Solnik que analisa a crise no setor energético do país e o descaso de sucessivos governos, que culminou no problema do "apagão".
  • Onde estavas quando as luzes se apagaram? (1968): comédia baseada em uma peça teatral cuja história se passa durante o blecaute que atingiu os Estados Unidos em 1965, deixando sete Estados e 25 milhões de pessoas sem luz por 12 horas.
*José Renato Salatiel é jornalista e professor universitário.
Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Compartilhe:

    Receba notícias

    Vídeos

    Porta Curtas

    Procure um filme por tema, nome do diretor, ano de produção ou outra palavra-chave

    Datas Comemorativas Revistas e Sites Lição de Casa Dicionários

    Aulete

    Português

    Houaiss

    Português

    Michaelis


    Tradutor Babylon


    Shopping UOL

    Hospedagem: UOL Host