UOL EducaçãoUOL Educação
UOL BUSCA

Atualidades

06/11/2009 - 08h00

Muro de Berlim - 20 anos depois

Queda do muro foi ato final da Guerra Fria

José Renato Salatiel*
Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação
GNU

O portão de Brandenburgo, na linha divisória entre as duas Alemanhas, foi tomado pela população

Há 20 anos, a queda do Muro de Berlim (1961-1989) abriu caminho para a reunificação da Alemanha, acelerou o fim dos regimes comunistas no Leste Europeu, colocou um ponto final na Guerra Fria (1945-1989) e foi um dos fatores que contribuíram para o surgimento do mundo globalizado.

Direto ao ponto: Ficha-resumo

Durante 28 anos, o muro foi o maior símbolo da divisão do planeta em dois blocos, o capitalista e o socialista. A disputa entre os Estados Unidos e a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) envolveu quase todo o mundo em guerras, golpes de Estado, corrida armamentista e ameaças de conflito nuclear.

Por fim, o colapso dos regimes comunistas abriu espaço para reformas e protestos populares. O ápice desse processo foi a derrubada do Muro de Berlim na noite de 9 de novembro de 1989. Os próprios berlinenses ajudaram a demolir a construção, que representava a opressão dos governos totalitários do século 20.

Cortina de Ferro

Tudo começou no fim da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). A Alemanha foi dividida em duas zonas políticas, econômicas e ideológicas distintas. Em 1949, as áreas controladas pelos Aliados (Estados Unidos, França e Reino Unido) formaram a República Federal da Alemanha, ou Alemanha Ocidental. No outro lado, sob domínio da URSS, foi instaurada a República Democrática da Alemanha (RDA), a Alemanha Oriental. A capital, Berlim, também foi separada em Ocidental e Oriental.

Mas enquanto a Alemanha Ocidental progredia com a economia capitalista, o regime estatal da RDA dependia de empréstimos da vizinha para subsidiar serviços públicos e manter o setor industrial. Para os alemães orientais, a escassez de produtos básicos era tão comum quanto a falta de liberdades políticas e individuais. Por isso, eles fugiam para o lado ocidental, em busca de melhores oportunidades.

O muro surgiu em 13 de agosto de 1961, por determinação do líder soviético Nikita Kruschev (1953-1964), como uma solução para as constantes escapadas de alemães, fato que ameaçava desestabilizar a RDA. Em média, mil refugiados por dia atravessavam a fronteira, que de início era composta apenas por fios de arames farpados e sem vigilância armada.

Com o fechamento das fronteiras, a Alemanha Oriental, com seus 17 milhões de habitantes, virou uma verdadeira prisão. O muro tinha 3,60 metros de altura e 155 quilômetros de extensão. Guardas de fronteiras armados e com cães patrulhavam a edificação. Havia 302 torres de vigília, minas, fosso e casamatas com metralhadoras para impedir a aproximação de eventuais "turistas".

Os guardas tinham ordens para atirar e matar qualquer pessoa que se arriscasse a romper a barreira. Pelo menos 192 foram mortos ao tentar pular o muro. Mil morreram na tentativa de atravessar outros pontos da fronteira. O muro também cortou redes de transportes, comunicação e esgotos. Famílias inteiras ficaram separadas por 28 anos, sem terem o direito a viajar para se reencontrarem.

Para os comunistas, o projeto funcionou bem: enquanto 2,5 milhões de alemães orientais fugiram de 1949 a 1962, apenas 5 mil deixaram o país entre 1962 e 1989. Isolados no bloco oriental, os alemães eram vigiados pela polícia secreta, a Stasi, que coagia e subornava as pessoas para delatarem parentes e amigos acusados de subversão (como mostra o filme A vida dos outros, indicado abaixo). Para os europeus que cresceram à sombra do Muro de Berlim, não havia esperanças de que a situação mudasse.

Gorbatchev

A ruína da economia e o consequente desgaste político do império socialista, no entanto, mudaram o cenário no final dos anos 1980. Nesse contexto, dois fatores foram preponderantes para a queda do muro: a ascensão do líder soviético Mikhail Gorbatchev (1985-1991), em 1985, e as reformas políticas na Hungria e na Polônia.

Quando chegou ao poder, Gorbatchev viu que o regime não tinha mais condições de arcar com os altos custos da Guerra Fria. Os gastos militares consumiam as riquezas do país, cujas indústrias estavam tecnologicamente defasadas, e os bens de consumo eram inacessíveis à maior parte do povo.

A única saída era a abertura, que ficou conhecida por dois nomes: a glasnost (transparência), de âmbito político, e a perestroika (reestruturação), na esfera econômica. O conjunto de medidas levaria, em 1991, à dissolução da URSS.

Gorbatchev também se aproximou de líderes da Europa Ocidental e dos Estados Unidos. Entretanto, mais importante que a diplomacia externa foi a postura em relação aos países que viviam sob influência política e militar de Moscou. Eles teriam, dali por diante, que escolher as próprias trilhas para sair do labirinto a que o socialismo os conduzira.

A posição do Kremlim foi decisiva para as mudanças, uma vez que todas as revoltas anteriores contra os Estados comunistas - Berlim (1953), Budapeste (1956), Praga (1968) e Varsóvia (1981) - foram esmagadas com ajuda das tropas soviéticas. Com o Exército Vermelho fora do jogo, a história seria diferente.

Eleições

O primeiro movimento em direção à abertura aconteceu na Polônia. Naquele final dos anos 1980 o país estava em crise, com inflação crescente e um terço da população vivendo na pobreza.

Para o governo, a saída encontrada foi negociar com o partido de oposição, o Solidariedade, que depois de sete anos na ilegalidade seria autorizado a participar de eleições parlamentares.

O fundador do Solidariedade, Lech Walesa, ganhador do prêmio Nobel da Paz em 1983, tinha apoio e financiamento dos Estados Unidos e da Igreja Católica. Ele assinou um acordo com seu antigo algoz, o líder comunista Wojciech Jaruzelski, para viabilizar as eleições históricas de 6 de fevereiro de 1988, o primeiro pleito eleitoral livre no Leste Europeu desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

O resultado das urnas foi claro: os poloneses repudiavam os comunistas. Além disso, o pleito foi considerado limpo e a vitória da oposição foi aceita pelo Partido Comunista. Isso possibilitou a formação do primeiro governo não comunista na Europa Oriental pós-guerra.

A Polônia provara para aos europeus que era possível derrubar ditaduras por vias democráticas, inclusive negociando com o inimigo.

Piquenique

Mas na Hungria, que passava por situação econômica e política semelhante à Polônia, os abalos seriam causados por forças internas. Partiu do próprio governo, mais especificamente do primeiro-ministro Miklós Németh (1988-1990) e seus aliados, a proposta de desmantelar o sistema comunista abrindo as fronteiras.

No dia 2 de maio de 1989, o governo húngaro anunciou que, por motivos financeiros, não poderia mais manter a cerca eletrificada em sua fronteira com a Áustria. Foi o primeiro "buraco" aberto na Cortina de Ferro, pelo qual os alemães orientais poderiam escapar. Mesmo assim, não ocorreu a fuga em massa esperada.

Os húngaros fizeram então uma nova tentativa com a promoção de um piquenique pan-europeu, na fronteira com a Áustria, em 19 de agosto do mesmo ano. Mais de 600 refugiados atravessaram as barreiras levantadas, no período de três horas em que ocorreu o evento. Políticos húngaros cortavam pedaços da cerca de arame farpado e distribuíam como souvenirs.

Na última manobra, em 10 de setembro, a Hungria anunciou que as fronteiras seriam totalmente abertas. Assim, os alemães puderam fugir pela Hungria e, via Áustria, chegar até a Alemanha Ocidental. Foi o início da fuga em massa de alemães da RDA. Milhares debandaram para rever parentes, fazer compras, buscar empregos melhores ou simplesmente viajar ao exterior, coisa que até então eram proibidos de fazer.

Revolta popular

O abandono diário de milhares de cidadãos da Alemanha Oriental (25 mil num único final de semana) ameaçou o funcionamento de serviços básicos e acabou gerando uma crise no país. Os comunistas contra-atacaram bloqueando a passagem na fronteira com a antiga Tchecoslováquia. Parte dos alemães buscou refúgio na embaixada da República Federal da Alemanha em Praga, capital tcheca.

No final de setembro, o governo de Erich Honecker (1971-1989) adotou uma segunda decisão equivocada. Ele transferiu, de trem, os refugiados da embaixada para a Alemanha Ocidental, passando por dentro da RDA. Os demais alemães orientais, revoltados com o fechamento da rota de fuga pela Hungria, amontoaram-se nas estações e foram reprimidos com violência pelas forças policiais.

Os protestos cresceram por todo país e levaram, em outubro, à renúncia de Honecker, pressionado pelos membros do Partido Comunista.

Egon Krenz, o segundo homem no partido, assumiu o poder e decidiu conceder passes livres para todos alemães da RDA que quisessem viajar ao exterior. O plano era liberar os passaportes a partir de 10 de novembro. Porém, o porta-voz do governo, Günter Schabowski, em pronunciamento na TV no final da tarde do dia 9, disse por engano que as novas regras valeriam "de imediato".

Foi o suficiente para milhares de berlinenses correrem para o muro e exigirem a abertura dos portões. Então, por volta das 23h, guardas desorientados e sem ordens do alto escalão sobre como controlar o caos cederam à pressão dos manifestantes. O povo alemão comemorou, então, a vitória depois de 40 anos de bloqueio.

Desse modo, foi derrubada a primeira peça do dominó socialista da Europa Oriental, que mudaria por completo o traçado geopolítico do mundo.

Direto ao ponto volta ao topo
No dia 9 de novembro de 2009 comemoramos 20 anos da queda do Muro de Berlim (1961-1989), símbolo da opressão de regimes comunistas que gravitavam na esfera de influência da antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).

A derrubada do muro pelos alemães orientais abriu caminho para a reunificação da Alemanha, acelerou o fim dos regimes comunistas no Leste Europeu, colocou um ponto final na Guerra Fria (1945-1989) e foi um dos fatores que contribuíram para o surgimento do mundo globalizado.

A construção do muro começou em 13 de agosto de 1961, com o objetivo de estancar o fluxo de alemães que fugiam da República Democrática da Alemanha (RDA), no bloco soviético, com destino à República Federal da Alemanha, no Ocidente. Desde que foi erguido, 192 pessoas morreram tentando escalar o muro.

Dois principais fatores levaram, no final dos anos 1980, à queda do Muro de Berlim: a ascensão ao poder do líder soviético Mikhail Gorbatchev (1985-1991), em 1985, e as reformas políticas na Hungria e na Polônia.

Saiba mais

  • 1989: O ano que mudou o mundo (Zahar): livro recém-lançado do jornalista Michael Meyer, que estava na Alemanha durante a queda do Muro de Berlim. Para o escritor, o momento histórico foi precipitado mais por agentes individuais, como políticos do próprio Partido Comunista, do que pelos Estados Unidos, que perceberam tarde demais o que estava acontecendo na Europa Oriental.
  • A vida dos outros (2006): ganhador do Oscar de melhor filme estrangeiro, expõe os bastidores do esquema de vigilância e o clima de desconfiança criados pela polícia secreta da RDA, a Stasi, antes do fim do comunismo.
  • Muro de Berlim - Especial UOL
  • Guerra Fria
  • Comunismo
  • União Soviética: o fim
*José Renato Salatiel é jornalista e professor universitário.
Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Compartilhe:

    Receba notícias

    Vídeos

    Porta Curtas

    Procure um filme por tema, nome do diretor, ano de produção ou outra palavra-chave

    Datas Comemorativas Revistas e Sites Lição de Casa Dicionários

    Aulete

    Português

    Houaiss

    Português

    Michaelis


    Tradutor Babylon


    Shopping UOL

    Hospedagem: UOL Host