UOL EducaçãoUOL Educação
UOL BUSCA

Banco de redações

Redação

Aluno:***

Idade:***

Colégio:***

2,5

A aversão a variações linguísticas

A recente tentativa de evitar o ensino da norma culta da língua portuguesa, feita pelo Ministério da Educação, deve ser repudiada pelas escolas públicas. Essa tentativa é um desrespeito aos jovens brasileiros, pois [pois,] com o aprendizado da norma culta, os jovens melhorarão a compreensão e a interpretação de textos além de contribuírem para diminuir o preconceito linguístico ao longo dos anos.

Com o ensino de uma variação linguística informal, o poder de comunicação dos jovens irá diminuir, pois a quantidade de pessoas que entendem e usam essa linguagem é mínima. Além disso, esse ensino prejudicará a capacidade de leitura de livros, de jornais e de revistas do estudante, ferramentas essencias na difusão [desenvolvimento] da informação e do conhecimento. Logo, a educação brasileira ainda continuará com péssima qualidade.

Além disso, aceitar o uso, feito pelos jovens aprendizes, de outras variantes linguísticas é contribuir para a propagação de mais um tipo de preconceito: o linguístico. Dessa forma, a sociedade brasileira do futuro será repleta de pessoas frustadas [frustradas] que queriam tornar-se, por exemplo, jornalistas ou advogadas, pois o mercado de trabalho brasileiro exigirá, em grande quantidade, pessoas capazes de, nesse caso, trabalharem no jornalismo e no direito internacionais, profissões que exigem do empregado o uso do português culto.

Portanto, a escola deve evitar o ensino de outras variantes linguísticas do português brasileiro que não sejam cultas. Para isso, é necessário, por meio dos professores, incentivar os estudantes a estudarem a gramática portuguesa além de facilitarem esse aprendizado com a distribuição de jornais e revistas aos alunos de colégios públicos.
 

Comentário geral

Texto muito confuso, marcado por declarações de caráter questionável ou incorreto, como se verá nos aspectos pontuais. O próprio título não faz muito sentido, num texto que advoga a rejeição da norma popular nas esolas. Na verdade, a partir do titulo, pode-se questionar até a compreensão que o autor tem da proposta de redação. Senão, vejamos.
 

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: a) a afirmação que abre o texto é incorreta e não se encontra na proposta de redação. O fato de o Ministério da Educação distribuir um livro que valoriza a norma popular e reputa a crítica a essa norma como preconceito lingüístico não significa evitar o ensino da norma culta. b) não se entende o que o autor considera preconceito linguístico, e porque o ensino da norma culta contribui para acabar com ele. Segundo a polêmica que deu origem à proposta, o preconceito linguístico se origina justamente do ensino exclusivo da norma culta. c) A expressão ao longo dos anos aí tem justificativa meramente retórica. Não existe um motivo objetivo para o seu uso.

2) Segundo parágrafo: a afirmação é absurda. A esmagadora maioria das pessoas em sua comunicação cotidiana usa a linguagem informal. Pelo contrário, certas formas da norma culta é que normalmente causam incompreensão entre os iletrados.

3) Terceiro parágrafo: a) como o ensino de diversas variantes podem gerar preconceito? É o contrário o que afirmam aqueles que advogam o ensino dessas variantes, reputando o exclusivismo da norma culta como preconceito. b) É compreensível que o autor recorra à advocacia e ao jornalismo como exemplo, pois se trata de profissões em que o conhecimento da língua é particularmente necessário. Mas é incompreensível o adjetivo internacionais nesse caso: ora, não é da língua portuguesa que profissionais se valeriam para exercer a profissão em outros países.

4) Último parágrafo: o português brasileiro já é, por si mesmo, uma variante linguística. A rigor, o texto deveria ter se restringido a falar em norma culta e norma popular.

Competências avaliadas

CompetênciaNota
1.Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita.1,0
2.Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.0,5
3.Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.0,0
4.Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.0,5
5.Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural.0,5
Total 2,5

Desempenho do aluno em cada competência

Nota 2,0 - Satisfatório Nota 0,5 - Fraco
Nota 1,5 - Bom Nota 0,0 - Insatisfatório
Nota 1,0 - Regular
Leia a proposta completa
Leia outras redações avaliadas
Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Compartilhe:

    Receba notícias

    Shopping UOL

    Hospedagem: UOL Host