UOL EducaçãoUOL Educação
UOL BUSCA

Banco de redações

Proposta de novembro de 2009

Idosos em nossa sociedade: valorizados, desvalorizados ou privilegiados?

Com o "envelhecimento" da população brasileira, tem-se falado muito da importância do bem-estar dos idosos. Em sociedades como a indiana e a japonesa, por exemplo, o velho é a figura mais importante da família e da comunidade. No Brasil, alguns sociólogos afirmam que, se um país precisa de um "estatuto dos idosos" (ou seja, de uma lei) para lembrar a respeitabilidade deles, isso indica que algo está muito errado... Por outro lado, há tantos privilégios sociais em torno da "terceira idade" (meias-entradas, ausência de filas, empréstimos especiais) que os "não velhos" se consideram prejudicados. Qual é sua opinião: o idoso, no Brasil - com ou sem rendimentos próprios - é valorizado, desrespeitado ou privilegiado?

Leia a proposta completa
Leia outras redações avaliadas

Redação

Aluno:***

Idade:***

Colégio:***

2,0

A desvalorização do idoso perante à [a] sociedade

De fato, há hoje no Brasil uma alta precariedade à terceira idade - responsável pelo valor de muitas histórias - e isso não é de difícil percepção. O complicado acesso a tudo que hoje existe é um problema sério a [para] essa classe, impossibilitando chances a [de] empregos etc.

Tocando no assunto político-social, percebe-se que existem, aqui no Brasil, muitos planos governamentais dedicados aos mais distintos padrões [grupos] sociais - jovens, famílias, desempregados etc. -, porém, nenhum deles se encaixa em algo que beneficie de forma direta à terceira idade. O porquê disso se dá pelo simples fato de a classe idosa ter se tornado um problema para a sociedade, isso segundo o que a própria o diz. O preconceito ainda é forte e crescente e muitos brasileiros procuram demonstrá-lo espontaneamente. Adianta priorizar quase por completo a juventude e a mesma ser esquecida com o passar dos anos?

Infelizmente, a partir desse preconceito generalizado e ao mesmo tempo aceito por nós, sociedade, o que, para os idosos, alcançar o supra-sumo [suprassumo] etário deveria ser um privilégio tornou-se um pesadelo. Pesadelo de sofrimento. Outro fator humilhante aos [para os] idosos é o desprezo familiar, o que ainda atinge muitos deles e os [lhes] causa depressão. Mas até quando existirá essa vexação nacional? Até o momento em que nós, manifestarmos nossa abusão em que "velhos" devem ser tratados de modo vulgar e com intolerância. Como bem já dizem sociólogos formadores de ideologias comuns introduzidas na sociedade, há algo de muito errado nesse contexto, no qual se deva chegar a ponto de criar o Estatuto do Idoso. E esse erro se mantém na sociedade, assim como outros modos de discriminação.

Contextualizando tal fator, nota-se que de privilégio o idoso não tem nem a vida. Pessoas hoje - induzidas pela globalização e os avanços tecnológicos - não generalizam essa classe em que, algum tempo, todos também o chegarão.


Comentário geral

Lamentavelmente, o texto se caracteriza pela precariedade de expressão. A impressão geral que se tem é a de que o autor quis empregar uma norma que desconhece, que quis falar difícil para "fazer bonito", mas acabou se complicando justamente por isso. A grande maioria de suas frases (assinaladas em vermelho) tem significado ambíguo ou vago ou obscuro, ou ainda se trata de generalizações superficiais que mal indicam os verdadeiros problemas que deveriam ser abordados pelo texto.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: a) Nota-se que o autor quis dizer que os idosos no Brasil, apesar de já terem contribuído com a nossa história, vivem em condições precárias. Mas a construção da frase que ele empregou não se sustenta sob o ponto de vista da morfologia, da sintaxe e da semântica; b) O "etc." se usa após uma enumeração de pelo menos dois elementos. No caso, há apenas um.

2) Segundo parágrafo: o trecho em vermelho pretende apresentar a causa de o governo não ter um programa de benefícios para a terceira idade, mencionada no início do parágrafo, mas simplesmente muda de assunto passando a tratar de uma demonstração "espontânea" de preconceito e outras questões que não se relacionam com a primeira. Sem falar em outros erros, como o uso inadequado de "própria" e "mesma".

3) Terceiro parágrafo: a construção inicial é confusa e o trecho conta com expressões cujo significado é subjetivo e, portanto, obscuro, como "suprassumo etário" ou "pesadelo de sofrimento", sendo esta última também uma redundância. A seguir, vem um grave erro de pontuação e desníveis vocabulares (sublinhados). Depois, outra expressão cujo subjetivismo torna incompreensível: quem seriam esses sociólogos formadores de ideologias comuns? A que ideologias o autor se refere? A confusão é tamanha que também não se pode ter certeza do que ele chama de "erro que se mantém na sociedade", na última frase do parágrafo.

4) A conclusão se inicia com uma expressão vazia ("Contextualizando tal fator") e se transforma num "antiperíodo" na medida em que nada se conecta ali do ponto de vista lógico, sintático, semântico. O que significa dizer que as pessoas não generalizam os idosos? Pessoas induzidas a quê? Qual a relação da globalização e dos avanços tecnológicos com os idosos?

Competências avaliadas

CompetênciaNota
1.Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita.0,5
2.Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.0,5
3.Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.0,5
4.Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.0,5
5.Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural.0,0
Total 2,0

Desempenho do aluno em cada competência

Nota 2,0 - Satisfatório Nota 0,5 - Fraco
Nota 1,5 - Bom Nota 0,0 - Insatisfatório
Nota 1,0 - Regular
Leia a proposta completa
Leia outras redações avaliadas
Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Compartilhe:

    Receba notícias

    Shopping UOL

    Hospedagem: UOL Host