UOL EducaçãoUOL Educação
UOL BUSCA

Banco de redações

Redação

Aluno:***

Idade:***

Colégio:***

2,0

É um direito justo.

Hoje, em todo país, os acidentes de trânsito estão se tornando mais comum [comuns] do se pensa, seja ele simples ou complexo [sejam eles simples ou complexos] . Mas o que se sabe [é] que os resultados são destrutivos, e por conta deles alguém sempre saíra [sairá] prejudicado, que vai [o que pode ir] de um simples arranhão ou até um grande trauma.

Tudo isto é causados por motoristas experientes ou não. Todos os dias as pessoas sai [as pessoas saem] de casa para trabalhar ou dar um simples passeio no parque na esquina em qualquer lugar estão eles sujeitos a sofrer alguma violência no trânsito. Mas o que ninguém pode prever é o que isso podem [pode] acontecer com a pessoa. Por isso muitas pessoas procuram ter pelo menos um seguro de vida para ter alguma garantia no futuro.

No Brasil a frota de veículos cresceu muitos nos últimos anos, por isso andar nas ruas fica [ficou] cada vez mais difícil e as principais vias e calçadas estão sempre lotadas de carros e o pedestre tendo que circular pelas ruas correndo risco de ser atropelados a qualquer momento. Em nosso país os donos de veículos são abrigados apagar [obrigados a pagar] um seguro que lhes dão [dá] direito á [a] circular, todavia este mesmo só poderá dar direito ao proprietário á [a] receber o benefício no caso de ele e outras pessoas se envolver em acidente de carros. Portanto é um direito justo as vítimas receber [receberem] , mas é injusto quando á [a] vítima ou os familiares não sabe [sabem] desse direito, pode ser que em muitas das vezes eles nunca venham a saber, o que é pior toda essa indenização pode ficar retida por falta de informação do próprio dono do veiculo, esse dinheiro pode chegar na hora certa para repara [reparar] os danos causados pelo acidentes.

Os acidentes acontecer [acontecem] todos os dias e com mais freqüência [frequência] nos feriados, talvez pela [pelo] excesso de velocidade ou por consumo de drogas e bebidas alcoólica [alcoólicas] . Ou seja nunca se sabe quando se vai precisar, fazer [precisar fazer] uso o desse direito nestas horas a [as] indenizações podem amenizar os traumas provocados pelos acidentes.

Comentário geral

Texto muito fraco, marcado por grande quantidade de erros recorrentes e que não são admissíveis nessa etapa da escolaridade. Alem desses erros crassos, especialmente de concordância, as ideias também estão confusas: entre outras confusões, o autor abandona o problema central para se fixar na questão da indenização às vitimas de trânsito pelo seguro, o que ele chama de modo redundante de ?direito justo?.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: acidentes não são qualificados como simples e complexos. Melhor seria usar algo como leves e graves.

2) Segundo parágrafo: as frases destacadas têm a sintaxe truncada: não estão corretamente articuladas aos períodos de que fazem parte.

3) Terceiro parágrafo: é o mais confuso de todo. O autor não consegue deixar claro o seu ponto de vista e nem sequer qual é o ponto principal de sua argumentação.

4) Quarta parágrafo: sintaxe truncada que seria facilmente corrigível com o uso correto de pontuação.

Competências avaliadas

CompetênciaNota
1.Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita.0,5
2.Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.0,5
3.Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.0,5
4.Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.0,5
5.Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural.0,0
Total 2,0

Desempenho do aluno em cada competência

Nota 2,0 - Satisfatório Nota 0,5 - Fraco
Nota 1,5 - Bom Nota 0,0 - Insatisfatório
Nota 1,0 - Regular
Leia a proposta completa
Leia outras redações avaliadas
Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Compartilhe:

    Receba notícias

    Shopping UOL

    Hospedagem: UOL Host