Topo

Biografias

Bussunda (Cláudio Besserman Vianna) Humorista carioca

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

21/06/2006 14h40

O humorista Cláudio Besserman Vianna ficou conhecido em todo o Brasil como Bussunda. O apelido teria nascido na adolescência, com a mistura dos nomes Besserman e Sujismundo surgindo "Bessermundo" e mais tarde, "Bussunda". Já o próprio humorista dizia que o apelido era a mistura "das duas coisas que eu mais gosto".

Bussunda nasceu no Rio de Janeiro, filho de Luís Guilherme Vianna e Helena Besserman Vianna. Em 1989, casou-se com Angélica Nascimento, com quem teve uma filha, Júlia, em 1994.

O humorista começou sua carreira nos anos 80, como redator do jornal "A Casseta Popular", quando ainda estudava jornalismo na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Na televisão, estreou em 1988 como redator do programa "TV Pirata", da Rede Globo.

No ano seguinte, com o show "Eu vou tirar você desse lugar", deu início à parceria com a equipe do jornal humorístico "Planeta Diário", surgindo então o "Casseta & Planeta Urgente!", que iria ao ar anos depois, em substituição ao TV Pirata.

Como protagonista do "Casseta & Planeta" desde 1992, Bussunda representava vários personagens, reais e fictícios e parodiava o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, os jogadores Ronaldo e Maradona, o senador Antonio Carlos Magalhães entre outros.

Mesmo após a criação do programa, Bussunda continuou a atuar como cronista e jornalista. Colaborou com várias revistas esportivas e participou de campanhas publicitárias. Com os seus companheiros de televisão escreveu onze livros, lançou três discos, encenou uma peça de teatro e protagonizou um filme em 2003, "A Taça do Mundo é Nossa" (com um segundo, "Seus Problemas Acabaram", planejado para 2006). Ainda no cinema, fez uma participação especial no filme "Como Ser Solteiro" e dublou o personagem principal da animação "Shrek".

Bussunda, com parte da equipe do "Casseta & Planeta", incluindo seus parceiros Hélio de la Peña, Beto Silva e Cláudio Manoel, estavam na Alemanha desde o início da Copa acompanhando a seleção brasileira. Sentiu-se mal no dia 16 de junho, após uma partida de futebol com amigos, mas dispensou a assistência médica.

Na manhã seguinte, passou mal no café da manhã e foi atendido por um grupo de paramédicos que estavam no mesmo hotel. Teve um ataque cardíaco fulminante e morreu às 8h30, hora local (3h30 no horário de Brasília).

Transferido para o Brasil, seu corpo foi velado no Ginásio Hélio Maurício, dentro da sede do Flamengo, seu time do coração, e sepultado no domingo dia 18, no cemitério São João Batista na capital fluminense. O Clube de Regatas Flamengo decretou luto oficial de três dias em homenagem a Bussunda. Jogadores da seleção brasileira e o presidente da Confederação Brasileira de Futebol, Ricardo Teixeira, manifestaram pesar pelo falecimento do humorista.