UOL EducaçãoUOL Educação
UOL BUSCA

Biografias

Ator norte-americano que interpretou Super-Homem

Christopher Reeve

25/09/1952 - Nova York
11/10/2004 - Nova York

Da Redação
Em São Paulo

[creditofoto]

[creditofoto]

Christopher Reeve interpretou o Super-Homem em quatro longas-metragens

O ator Christopher Reeve, que ficou célebre ao interpretar o papel de Super-Homem em quatro filmes, nasceu em 25 de setembro de 1952, em Nova York. Filho de um professor de inglês e de uma jornalista, Reeve era praticamente desconhecido quando foi escolhido entre 200 candidatos -incluindo Paul Newman, Robert Redford, Arnold Schwarzenegger e Charles Bronson- para o papel principal de "Superman" (1978), de Richard Donner.

O ator também participou de outras produções de sucesso como "Em Algum Lugar do Passado" (1980), de Jeannot Szwarc, no qual interpretava um escritor de teatro, e "Vestígios do Dia" (1993), de James Ivory, no qual vive um aristocrata britânico.

Reeve tinha dois filhos -Matthew, 25, e Alexandra, 21- de um relacionamento com a modelo Gae Exton, que ele conheceu durante as filmagens de "Superman", e um terceiro filho -Will, de 12 anos- com sua atual mulher, a atriz Dana Morosini, com quem se casou em 1992.

Reeve sofreu um grave acidente em maio de 1995, quando caiu de um cavalo e quebrou duas vértebras, ficando completamente imóvel do pescoço para baixo. Passou por longas terapias para conseguir respirar com menos ajuda de aparelhos e se tornou um ativista pelos direitos dos deficientes, criando inclusive a Fundação Christopher Reeve para a Paralisia, em 1999.

Em 2000, o ator conseguiu mover o dedo indicador e fez um trabalho especializado de musculação, que deixou suas pernas e braços mais fortes. Ele também voltou a ter sensibilidade em outras partes de seu corpo, determinando-se a voltar a andar.

"Eu me recuso a permitir que uma deficiência determine meu modo de vida. Não quero ser inconseqüente, mas estabelecer um objetivo que parece um pouco amedrontador é muito útil para a recuperação", disse à época.

O acidente fez de Reeve um ator limitado, mas este limite físico o fez servir involuntariamente e de modo perfeito para o papel de Jason Kemp, no remake moderno para a TV (1998) de "Janela Indiscreta", de Hitchcock, considerado um dos principais filmes da história do cinema. No filme de Hitchcock, Kemp é o sujeito paralisado que, impossibilitado de andar, fica bisbilhotando a vida alheia da janela de seu apartamento.

O dr. Raymond Onders, que em uma cirurgia inovadora implantou eletrodos no diafragma do ator para ajudá-lo a respirar, disse que Reeve tinha "muita compaixão". "Apesar de lutar contra sua própria deficiência, ainda ajudou pacientes em todo o mundo com o mesmo tipo de problema."

Reeves teve uma memorável aparição na cerimônia do Oscar em 1996, quando surgiu de surpresa em uma cadeira de rodas, suportado por um respirador artificial, menos de um ano após seu acidente. Depois de uma interminável sessão de aplausos, Reeve levou o público às lágrimas em um discurso pedindo a Hollywood menos blockbusters vazios e mais filmes com causas sociais, do tipo "Platoon" (contra a guerra) e "Filadélfia" (Aids).

Depois do acidente Reeve fez campanha pela pesquisa com células-tronco e a possibilidade de uso destas para recuperar as células danificadas em casos como o seu. Seu lobby ajudou o tema a se destacar na campanha presidencial dos EUA deste ano, o que levou o candidato democrata John Kerry a mencionar seu nome em uma debate entre ele e George Bush, durante a campanha presidencial.

O ator também era ativista da Unicef, da Anistia Internacional e da ecologia. Junto com os também atores Susan Sarandon e Alec Baldwin, fundou ainda a Coalizão Criativa, um grupo de ajuda a pessoas sem casa.

Uma de suas últimas participações foi no seriado de televisão "Smallville", que conta as aventuras do adolescente Clark Kent antes de se tornar o Super-Homem.
Escreveu a biografia "Ainda Sou Eu - Memórias" (ed. DBA; R$ 34), recém-lançada no Brasil, cuja transcrição a disco lhe valeu o Grammy de melhor álbum falado de 1999. Em 2002, publicou "Nothing Is Impossible: Reflections of a New Life" (Nada É Impossível: Reflexões de uma Vida Nova).

No dia 11 de outubro de 2004, devido a uma parada cardíaca, Reeve morreu aos 52 anos no hospital Northern Westchester, de Nova York (EUA). Ele havia entrado em três dias antes, quando sofreu um ataque cardíaco durante o tratamento de uma ferida infectada, e morreu na tarde de anteontem sem recobrar a consciência.

Com Folha de S. Paulo

Compartilhe:

    Receba notícias

    Lição de Casa Dicionários

    Aulete

    Português

    Houaiss

    Português

    Michaelis


    Tradutor Babylon


    Shopping UOL

    Hospedagem: UOL Host