Topo

Biografias


Ivan Turguêniev Escritor russo

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

15/02/2007 12h46

Ivan Sergeievich Turguêniev foi um dos mais importantes romancistas e dramaturgos russos. O seu romance "Pais e Filhos" é ainda hoje considerado uma das obras primas da ficção russa do século XIX.

Nascido em uma família de proprietários rurais abastados, Turguêniev foi vítima de freqüentes maus-tratos por parte da mãe, uma mulher enérgica e despótica.

Em 1827 a família mudou-se para Moscou, onde Ivan estudou, finalmente ingressando na Universidade de São Petersburgo, no ano de 1834. Cursou Filosofia e, aos dezenove anos de idade, publicou uma primeira coletânea de poemas.

Partiu em seguida para a Alemanha, com o objetivo de prosseguir os seus estudos na Universidade de Berlim, onde permaneceu até 1841. Na Alemanha, Turguêniev teve contato com as idéias de Hegel, professor e reitor daquela universidade.

Regressou à Rússia e, após ter conseguido a licenciatura pela Universidade de Moscou, ocupou um cargo junto no Ministério da Administração Interna.

Em 1843 publicou o primeiro livro que chamou a atenção da crítica, "Parasha", e conheceu o grande amor da sua vida, uma cantora de ópera espanhola, casada, chamada Pauline Garcia Viardot. O relacionamento entre os dois foi longo, com o consentimento e a cumplicidade do marido da solista. Turguêniev chegou mesmo a viver e a viajar com o casal. Da sua união com Viardot nasceu uma filha.

Após o aparecimento de suas primeiras obras, Turguêniev estabeleceu definitivamente a sua reputação como escritor em 1852, ao publicar "Relatos de um Caçador", obra composta por vários contos. O livro girava em torno de um jovem aristocrata que vai descobrindo a sabedoria na vida dos camponeses que trabalham na sua propriedade.

Turguêniev tornou-se o primeiro escritor russo a celebrizar-se na Europa ocidental. O romance "Pais e Filhos" foi escrito entre 1860 e 1862, exatamente quando, na Rússia, o czar decretava o fim da servidão. O romance relata o conflito de um estudante de Medicina, Ievgueni Bazarov, que recusa tanto o conservadorismo das gerações mais velhas, como o radicalismo da juventude. Turgêniev chamou o protagonista de "nihilista", cunhando assim o termo.

A obra deu origem a controvérsias, o que fez com que o autor preferisse partir para a Alemanha em 1863, fixando-se em Baden-Baden. Seu romance "Fumaça" (1867) é o desabafo de um homem cansado e descontente. Com a guerra franco-prussiana (1870) ele se muda para Bougival, nos arredores Paris e ali escreve seu último livro, "Terras Virgens" (1876).

Turguêniev morreu na França, em 1883, e foi enterrado no Cemitério de Volkoff, em São Petersburgo.