Topo

Biografias

John Tyler Presidente dos EUA entre 1841 e 1844

Da Redação<br>Em São Paulo

28/02/2004 15h55

John Tyler, o primeiro vice-presidente que assumiu o posto máximo do país devido à morte de seu titular, reproduz a biografia dos primeiros presidentes norte-americanos. Nasceu no Estado da Virgínia, em 1790, freqüentou o College of William and Mary e estudou direito. Segundo seus biógrafos, foi criado para acreditar que a Constituição deveria ser interpretada rigidamente.

Apelidado de "His Accidency" (trocadilho com Sua Excelência e acidente) por seus detratores, serviu na Câmara dos Deputados de 1816 a 1821, Tyler votou contra a maioria das leis nacionalistas e se opôs ao Compromisso do Missouri.

Após deixar a Câmara, foi governador da Virgínia por duas gestões. Tyler logo se juntou aos sulistas que defendiam os direitos dos Estados no Congresso, que se uniram ao recém-formado partido Whig na oposição ao presidente Jackson, democrata.

Os whigs indicaram Tyler para vice-presidente em 1840, na esperança de obter apoio dos defensores dos direitos dos Estados do Sul, que não suportavam a democracia jacksoniana. O slogan "Tippecanoe e Tyler Também" implicava nacionalismo e secessão sulista.

Mas, de repente, o presidente William Harrison, de quem Tyler foi eleito vice em 1840, estava morto, e "Tyler também" estava na Casa Branca. Os whigs não ficaram muito perturbados, já que o discurso de posse de Tyler parecia alinhado com a doutrina whig. Otimistas de que Tyler aceitaria seu programa, eles logo ficaram desiludidos.

Tyler vetou o projeto de lei de Henry Clay que estabelecia um Banco Nacional com agências em vários Estados. Um projeto semelhante foi aprovado pelo Congresso. Mas novamente, com base nos direitos dos Estados, Tyler o vetou. Em retaliação, os whigs expulsaram Tyler de seu partido. Todo o ministério renunciou exceto o secretário de Estado, Daniel Webster.

Quando Tyler vetou uma lei tributária, foi apresentado o primeiro pedido de impeachment contra um presidente na Câmara dos Deputados. Um comitê chefiado pelo ex-presidente John Quincy Adams (gestão 1825-1828) relatou que o presidente tinha usado indevidamente o poder de veto, mas o pedido fracassou. Em 1842, Tyler sancionou a lei tributária que protegia os industriais do Norte. Em 1845 o Texas foi anexado.

Seu governo, que defendia os direitos dos Estados, fortaleceu a presidência. Mas isto também aumentou a divisão que levou à guerra civil (1861-1865). Tyler aderiu ao Partido Democrata, que estava comprometido com a preservação dos direitos dos Estados do sul, que defendiam os interesses dos agricultores e a escravidão. Os whigs se tornaram mais representativos das empresas e interesses rurais do Norte.

Quando os primeiros Estados do Sul se separaram em 1861, Tyler liderou um movimento de acordo. Após o fracasso, ele trabalhou na criação da Confederação do Sul. Ele morreu em 1862, como membro da Câmara dos Deputados Confederados.

Com informações da The White House Historical Association