Topo

Biografias

William McKinley Presidente dos EUA entre 1897 e 1901

Da Redação<br>Em São Paulo

28/02/2004 22h25

William McKinley nasceu no Estado de Ohio, em 1843. Freqüentou brevemente o Allegheny College, e trabalhava como professor em uma escola do interior quando estourou a Guerra Civil, em 1861.

McKinley foi soldado da União e deu baixa do serviço militar no final da guerra como major honorário de voluntários. Então, ele estudou direito e abriu um escritório em Canton, em Ohio.

Aos 34 anos, McKinley conquistou uma cadeira no Congresso, no qual foi nomeado para o poderoso Comitê Orçamentário. Durante seus 14 anos na Câmara, ele se tornou especialista tributário republicano, dando seu nome à medida sancionada em 1890. No ano seguinte ele foi eleito governador de Ohio, cumprindo dois mandatos.

Na Convenção Republicana de 1896, em época de depressão, um rico empresário de Ohio, Marcus Alonzo Hanna, assegurou a indicação do governador William McKinley, apontado como "o agente avançado da prosperidade".

Quando McKinley se tornou presidente, ele convocou o Congresso para uma sessão especial para aprovar a mais alta tarifa da história. Neste clima amistoso, associações industriais se desenvolveram em um ritmo sem precedente. Os jornais caricaturaram McKinley como menininho conduzido pela "Babá" Hanna, o representante dos trustes.

Ao noticiar o impasse entre as forças espanholas e revolucionárias em Cuba, os jornais alardearam que um quarto da população estava morta e o restante sofrendo demais. A indignação pública pressionou McKinley para que fosse à guerra.

Ele transmitiu uma mensagem de intervenção neutra em abril de 1898. Na guerra de 100 dias, os Estados Unidos destruíram a frota espanhola fora do porto de Santiago em Cuba, tomaram Manila nas Filipinas e ocuparam Porto Rico.

Indeciso quanto ao que fazer com as possessões espanholas além de Cuba, McKinley viajou pelo país e detectou um sentimento imperialista. Assim os Estados Unidos anexaram as Filipinas, Guam e Porto Rico.

Nas eleições de 1900, o candidato democrata William Jennings Bryan optou por denunciar o imperialismo; McKinley defendeu discretamente a "marmita cheia". Seu segundo mandato, que teve início de forma auspiciosa, teve um fim trágico em setembro de 1901.

Ele estava parado em uma fila de cumprimentos na Exposição Pan-americana de Buffalo quando um anarquista perturbado atirou contra ele duas vezes. Ele morreu oito dias depois.

Com informações da The White House Historical Association