Artes

Vicente do Rego Monteiro: Cultura indígena no modernismo

Valéria Peixoto de Alencar*
Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

O pernambucano Vicente do Rego Monteiro (1899-1970) foi pintor, escultor, desenhista, ilustrador e artista gráfico. Nasceu em uma família de artistas. Descendia, por parte de mãe, do pintor Pedro Américo.

Ainda criança, iniciou seus estudos artísticos, em 1908, na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, e em 1911 viajou com a família para Paris, onde passou a freqüentar a Academie Julién. Aos 14 anos teve alguns trabalhos selecionados para participar do Salon des Indépendants, em 1913. Em Paris, manteve contato com Amedeo Modigliani, Fernand Léger, Georges Braque, Joan Miró, Albert Gleizes, Jean Metzinger e Louis Marcoussis, importantes artistas modernistas.

No início da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), deixou a França com sua família e passou a morar no Rio de Janeiro. Em 1918, realizou sua primeira exposição individual, no Teatro Santa Isabel, no Recife, e dois anos mais tarde expôs pela primeira vez em São Paulo, onde conheceu Di Cavalcanti, Anita Malfatti, Pedro Alexandrino e Victor Brecheret.

Em 1920, estudou a arte marajoara e tapajó das coleções do Museu Nacional do Rio de Janeiro, e esse tipo de estética passou a influenciar diretamente seus trabalhos.



Reprodução
Vaso antropomórfico, exemplo de cerâmica Tapajó

A obra de Rego Monteiro incorporou a estética da cerâmica amazônica (a cor, o volume, a forma e a redução da figura), tornando-a uma característica marcante do modernismo brasileiro, que se propunha a resgatar, na arte, as origens do nosso povo.



Reprodução
Mani Oca (O nascimento de Mani), 1921. Aquarela e nanquim sobre papel

Ainda que sua pintura não faça sempre referência direta a uma lenda indígena, como na aquarela Mani Oca (colocada acima), por exemplo, e sim a temas consagrados da história da arte, a influência da cerâmica marajoara ou tapajó é marcante, como vemos a seguir:



Reprodução
A crucifixão, 1922, óleo sobre tela


Mesmo distante, morando em Paris novamente, Rego Monteiro participou da Semana de Arte Moderna com oito obras, entre pinturas a óleo e aquarelas.

Em 1923, fez desenhos de máscaras e figurinos para o balé Legendes Indiennes de L'Amazonie. Trouxe ao Brasil a exposição A Escola de Paris, exibida em Recife, São Paulo e Rio de Janeiro. Decorou a Capela do Brasil, no Pavilhão Vaticano da Exposição Internacional de Paris, em 1937.

Em 1946, fundou a Editora La Presse à Bras, dedicada à publicação de poesias brasileiras e francesas. A partir 1941, publicou seus primeiros versos, no livro Poemas de Bolso, e organizou vários salões e congressos de poesia no Brasil e na França.

Depois de retornar ao Brasil, lecionou pintura na Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE, em 1957 e 1966. Em 1960, recebeu o Prêmio Guillaume Apollinaire pelos sonetos reunidos no livro Broussais - La Charité. Entre 1966 e 1968, lecionou no Instituto Central de Artes da Universidade de Brasília - UnB.



Saiba mais

  • Marajoara: nome dado a artefatos arqueológicos de cerâmica, tais como vasos e urnas funerárias, encontrados na ilha de Marajó, no Pará.
  • Tapajó: nome dado a artefatos arqueológicos encontrados às margens do rio Tapajós, em Santarém, no Pará.
  • Para conhecer um pouco mais sobre cerâmica marajoara e tapajó, visite os sites Pará - Cultura, fauna e flora e Casa da Ópera.
  • Para mais informações sobre Vicente do Rego Monteiro, conheça os sites do Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães e da Fundação Joaquim Nabuco.
  • Valéria Peixoto de Alencar*
    Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação *Valéria Peixoto de Alencar é historiadora formada pela USP e mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da Unesp. É uma das autoras do livro Arte-educação: experiências, questões e possibilidades (Editora Expressão e Arte).

    UOL Cursos Online

    Todos os cursos