Topo

Pesquisa escolar

Química


Radiação (2) - Fontes radioativas estão mais perto do que imaginamos

Carlos Roberto de Lana

O episódio com o Césio-137 tornou notórias as chamadas fontes radioativas dos equipamentos hospitalares, criando uma expectativa geral sobre onde elas se situam e se são seguras, precaução por vezes tomada onde não se usa tal recurso, como é o caso dos aparelhos de raio-X, que não têm fonte radiativa e, uma vez desligados da eletricidade, não emitem mais radiação.

Porém, é verdade que a presença de elementos radioativos potencialmente perigosos pode estar mais próxima do que imaginamos. É o caso dos pára-raios, por vezes instalados logo acima do teto em que dormimos, dos quais muitas hastes antigas possuem pontas de Amerício-241, cuja intensidade radiativa e meia-vida são ainda maiores que as do Césio-137.

Pára-raios

Devido às quantidades e condições em que o material radioativo foi processado, estas pontas, em geral, não representam o mesmo perigo letal que a cápsula de Césio, mas mesmo assim seu uso foi proibido e decretado o recolhimento e acondicionamento seguro das restantes em uso. Como não havia um controle sobre quantos pára-raios radiativos foram instalados e onde estão eles, muitas peças antigas encontram-se ainda por aí.

Fontes radioativas também podem ser usadas para medição do nível de líquidos especiais em tanques fechados, o que implica que pode haver delas em alguma fábrica próxima. E cada vez que usar algum produto farmacêutico, seja uma seringa de injeção ou um simples fio dental, lembre que é possível que ele tenha sido esterilizado dentro da embalagem lacrada por um feixe ionizante emitido por fonte radioativa.

Esses lembretes visam mostrar que convivemos sem grandes problemas ou riscos com elementos radiativos, bastando que as regras de segurança sejam observadas e que a absurda sucessão de negligências, erros e desconhecimentos ocorrida em Goiânia não se repita.

 

 

Veja também



 

 

Carlos Roberto de Lana é engenheiro químico e professor.

Mais Química