Programa Um Computador por Aluno provocou "revolução no país", diz Lula

Ivan Richard
Da Agência Brasil

Em Brasília

A decisão do governo de diminuir o preço do computador provocou uma revolução no país, disse nesta sexta-feira (23) o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no município pernambucano de Caetés, onde nasceu. Com os computadores, destacou Lula durante o lançamento nacional do Programa Um Computador por Aluno(Prouca), as crianças têm mais condições de aprendizagem.

“Lembro que quando discutíamos, ainda em 2004, a criação de um programa para baratear o uso de computador, a ideia era que um companheiro pudesse entrar em uma loja e comprar pagando R$ 50, R$ 40, R$ 30 por mês. Porque, até então, computador era coisa que só atendia a parte mais rica da população. Os pobres não tinham dinheiro para comprar computador neste país”, disse Lula.

De acordo com o presidente, com os computadores e com o acesso à internet ,os estudantes terão mais fontes de conhecimento. “Vocês não sabem, mas computador virou uma paixão e, sobretudo, entre criança e adolescente. Não tem uma criança neste país que não queira um computador. Não tem um adolescente que não queira um computador”, disse Lula. “O computador virou um instrumento muito importante para aumentar o aprendizado da sociedade brasileira e das nossas crianças.”

Lula afirmou que no início teve medo de que a entrega dos computadores levasse os estudantes a deixar de se comunicar com os amigos e pudesse prejudicar o desempenho escolar deles. Contudo, essa preocupação deixou de existir, segundo ele, quando visitou um município do Rio de Janeiro em que o governo implementou o Programa Um Computador por Aluno e isso fez com que os estudantes melhorassem na escola.

“As crianças desistiam de ir para a escola. Cem crianças começavam o ano e 70% terminavam. Depois do computador, cem começam o ano e todas terminavam. As crianças levam o computador para casa e na escola fazem um círculo e conversam entre eles via computador e aprendem muito mais.”

O presidente disse ainda que a decisão de levar o programa para sua cidade natal foi o do “critério Lula”. “Ele [o ministro da Educação, Fernando Haddad] falou que tem um monte de critério e falei que não tem problema nenhum. Se alguém perguntar para você qual o critério que entrou Caetés, você diga que foi o critério Lula”, explicou o presidente, ressaltando a necessidade de o programa ser levado para a cidade no interior de Pernambuco.

“O critério do Lula querer trazer o computador para a cidade em que eu nasci para que essas crianças tenham mil vezes mais oportunidades que eu tive quando tinha a idade deles”, justificou o presidente. Ele acrescentou que a ideia é levar também internet de alta velocidade para todas as escolas públicas do país.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos