PUBLICIDADE
Topo

RJ: Cerca de cem professores das redes municipal e estadual fazem protesto na Candelária

Da Redação

Em São Paulo

16/09/2010 11h42

Um grupo de cerca de cem profissionais da educação se reúne em frente à Igreja da Candelária desde 11h. Eles devem seguir em passeata pela avenida Rio Branco até a Cinelândia por volta do meio-dia. Docentes e funcionários das redes municipal e estadual do Rio de Janeiro fazem paralisação de 24 horas nesta quinta (16). A manifestação integra um movimento mais abrangente, o dos servidores públicos fluminenses.

O protesto, segundo nota da associação dos profissionais da educação no Rio de Janeiro, é em "defesa da escola pública e dos serviços públicos de qualidade e contra a reforma da previdência do prefeito Eduardo Paes". O Sepe (Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro) representa tanto a rede estadual quanto a municipal.

Uma das bandeiras do movimento é o reconhecimento dos professores leigos da educação infantil. "Ganhamos pouco mais de um salário mínimo para exercer a função de professor", diz Valmir Henrique da Rocha Oliveira, professor leigo da rede municipal que está na categoria "auxiliar de creche". "Fomos induzidos a fazer o Proinfantil [capacitação para serem professores] e agora o prefeito quer abrir concurso", completa Oliveira. A rede municipal protesta, ainda, contra a reforma previdenciária que está tramitando na Câmara.

Para a rede estadual, a melhoria do salário e das condições de trabalho estão no topo da lista de reivindicações. Segundo o Sepe, os profissionais estaduais acumulam perdas de 60% e a rede perde, por dia, 20 professores. Dados da Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro apontam para perda de quatro profissionais por dia, sem contar aposentadorias, mortes e demissões como informou reportagem do UOL Educação.

Educação