Enem

MPF no Ceará pede suspensão da divulgação do resultado do Sisu

Da Redação

Em São Paulo

O MPF/CE (Ministério Público Federal) no Ceará entrou com ação na Justiça Federal contra o Sisu (Sistema de Seleção Unificada), pedindo a suspensão da divulgação do resultado do sistema. O MPF quer que o MEC (Ministério da Educação) garanta aos estudantes que fizeram o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2010 a possibilidade de apresentar recursos contra as notas obtidas nas provas.

Segundo nota do MPF, o documento é baseado em denúncias de estudantes de irregularidades na divulgação das notas do Enem. Entre os problemas identificados estariam: notas não divulgadas; provas anuladas irregularmente; e candidatos considerados faltosos mesmo tendo feito o exame. Sem as notas, esses estudantes ficam impedidos de concorrer às vagas oferecidas no sistema.

O MEC deve permitir que os estudantes apresentem recurso contra as notas do Enem, de acordo com o procurador Oscar Costa Filho. Para isso, o ministério deveria disponibilizar os espelhos das provas com as devidas correções. Assim, os candidatos podem conhecer os motivos que levaram à atribuição de cada nota.

O pedido apresentado pelo procurador à Justiça Federal vai integrar a ação civil pública que já está em tramitação, em que é pedida a anulação do Enem. Além da anulação do exame, a ação também questiona o uso notas de edições anteriores do Enem para as vagas oferecidas pelo Sisu. Para o procurador, os exames anteriores não poderiam ser comparados com o Enem 2010, já que nesta edição pela primeira vez está sendo cobrada a disciplina de língua inglesa. Essa questão ainda aguarda decisão judicial.

Nesta terça (18), a DPU/CE (Defensoria Pública da União) no Ceará também entrou com uma nova ação civil pública contra o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2010. Após queixa de 30 estudantes quanto à correção do exame, o órgão pede que os candidatos possam ver os espelhos de suas provas e que a banca examinadora apresente o modelo padrão de resposta usado para a correção.

Junto com a ação, a DPU/CE pede a suspensão das inscrições no Sisu (Sistema de Seleção Unificada) até que o caso seja solucionado. Provas anuladas sem motivo, indicações de falta de alunos que estavam presentes e notas que não condizem com o desempenho foram alguns dos argumentos levantados por esses candidatos. 

Consultado, o MEC (Ministério da Educação), por meio de sua assessoria de imprensa, ainda não se pronunciou sobre a ação.

Falha no sistema

Após as inscrições no Sisu começarem com problemas de lentidão no site, uma  falha no sistema fez com que estudantes vissem dados de outros candidatos ontem (17) de noite e hoje (18), por 4 minutos, às 6h. De acordo com o MEC (Ministério da Educação), o problema ocorreu na abertura do sistema, às 6h, por quatro minutos, devido a troca de equipamento na rede, com "objetivo de melhorar a capacidade do sistema".

O ministério afirma que "em nenhum momento foi possível a troca de inscrição ou manipulação dos dados dos estudantes". Na segunda-feira (17), de acordo com relatos, estudantes viam dados de outros candidatos em seus perfis no sistema. O erro ocorreu, segundo o MEC, devido a uma manutenção de equipamentos, realizada entre 19h30 e 20h.

A inscrição no sistema foi prorrogada até esta quinta-feira (20). O Sisu oferece 83 mil vagas no ensino superior e utiliza como base a nota do Enem 2010 para selecionar os candidatos.

 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos