Topo

Ela é pedagoga e fez Pronatec aos 60 anos: 'deu um up' na vida

Arquivo pessoal
Bernardete Santos, 62, aluna do Pronatec Imagem: Arquivo pessoal

Karina Yamamoto

Do UOL, em São Paulo

2014-10-31T13:09:40

2014-10-31T17:23:24

31/10/2014 13h09Atualizada em 31/10/2014 17h23

"Olha, se você precisar falar comigo de novo, só me encontra de noite em casa", explicou a pedagoga Bernardete Santos, 62, ao se despedir da reportagem do UOL na última segunda-feira (27). "Só estou em casa [de tarde] porque é feriado no instituto [IFPR, Instituto Federal do Paraná] e estou sem aula."

Moradora de Curitiba, Bernardete termina no final do ano o curso técnico em massoterapia no IFPR (Instituto Federal do Paraná). Já tem planos de fazer fisioterapia na UFPR (Universidade Federal do Paraná) ou em uma instituição que aceite o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). A viúva está com inscrição feita para as duas provas, que acontecem nos próximos finais de semana.

A redescoberta do estudo -- e da nova profissão de massagista -- veio há pouco mais de dois anos quando fez seu primeiro curso pelo Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego). Bernardete era aposentada na época e já havia concluído um curso superior na sua juventude, o de pedagogia.

Sua neta, com 13 anos na época, havia se mudado para a capital para estudar no IFPR e ela, avó cautelosa, decidiu conhecer a instituição. "Como sou muito de conversar, eu fiquei sabendo dos cursos e vi o de massagista", conta a aposentada que trabalhava como cuidadora de idosos.

O auxílio para transporte e alimentação, além da gratuidade do curso, possibilitou que ela parasse de trabalhar e se dedicasse aos estudos (e à neta, com quem passou a ir para a escola). "Na minha época não era assim, era caro estudar", relembra. Ela fez pedagogia em uma faculdade particular, mas sempre trabalhou em escritório. "Não tinha vocação para professora", diz.

"Fiquei a mais feliz do mundo", afirma a aluna que nunca teve uma falta. Nos cursos de capacitação -- ela fez quatro: massagem, modeladora, shiatsu e drenagem linfática --, os professores começaram a incentivá-la a fazer o técnico. Hesitou no primeiro momento, com medo da concorrência na seleção para o IFPR, mas ela encarou o desafio e passou.

Dilma disse a economista para fazer Pronatec

"Esse Pronatec deu um up nas nossas vidas", afirma Bernardete, que teve outros colegas com idades próximas a sua. "A gente que tem certa idade vai trabalhar por conta [e os cursos ajudam nessa mudança de atividade]." Segundo ela, o esforço nos estudos se reverteu em clientes e em uma renda melhor.

Na sexta-feira anterior à entrevista, uma resposta da então candidata à Presidência Dilma Rousseff no debate da Rede Globo havia causado polêmica. Uma economista desempregada, de 55 anos, havia questionado Dilma e seu adversário, Aécio Neves, sobre os planos para garantir emprego a pessoas com mais idade.

Dilma sugeriu que a economista procurasse o Pronatec. Foi criticada por isso por internautas e chegou a virar piada na internet.

"Quem não viveu na pobreza não sabe avaliar", analisa a massagista. "[O curso, essa capacitação] Abre uma oportunidade: quem vai consegue [melhorar de vida]." O curso técnico, na opinião de Bernardete, "ensina" os alunos a trabalhar.

Seus filhos fizeram o ensino médio nessa modalidade e por conta dessa formação tiveram empregos com os quais puderam pagar o ensino superior: "Na época deles não tinha essas facilidades [mais vagas de graduações públicas e gratuitas e cotas sociais nas universidades]." Já suas netas cresceram em outro cenário, conta.

Críticas ao Pronatec

Principal vitrine do governo federal, o Pronatec foi alvo de uma auditoria da CGU (Controladoria-Geral da União) este ano. A conclusão foi de que os gastos com o programa, assim como a contabilização precisa dos beneficiados, está fora de controle. Na visão do governo, essa conclusão é exagerada.

O professor Gaudencio Frigotto, da Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), acha que oferecer cursos técnicos rápidos a pessoas que não completaram a educação básica não resolve o problema de falta de mão de obra capacitada no país. Segundo ele, o Pronatec se tornou caça-níquel para instituições privadas.

Em reportagem do UOL de junho deste ano, nem o MEC (Ministério da Educação) nem o MTE (Ministério do Trabalho e do Emprego) souberam informar quantos alunos conseguiram emprego.

Mais Educação