Topo

Educação

Vestibular


Pais acompanham filhos e ficam nas portas das escolas durante o Enem

8.nov.2014 - Dona Maria José dos Santos, 51, vai esperar o filho terminar a prova do Enem 2014 - Beto Macário/UOL
8.nov.2014 - Dona Maria José dos Santos, 51, vai esperar o filho terminar a prova do Enem 2014 Imagem: Beto Macário/UOL

Aliny Gama

Do UOL, em Maceió

08/11/2014 15h42

A vigília de pais que estão nas portas da escolas em Maceió durante o Enem 2014 (Exame Nacional do Ensino Médio) é tradição. Os motivos são os mesmos: apoio psicológico aos filhos que estão se submetendo as provas para eles ficarem mais tranquilos.

A dona de casa Maria José dos Santos, 51, está no Cepa (Centro de Estudos e Ciências Aplicadas), no bairro do Farol, para acompanhar o filho na porta da escola. Ela conta que o garoto Wanderson da Silva Santos, 17, tem pouca idade para sair sozinho e ela resolveu vir apoiar o filho ficando na porta da escola. "Estou rezando muito para que ele passe no vestibular, pois o sonho dele e meu também é que ele seja advogado", disse.

O marido dela, João José dos Santos, 55, também está fazendo Enem neste sábado e tentará pedagogia ou história. "Apesar da idade nunca é tarde para recomeçar e ele resolveu fazer Enem depois que Wanderson disse que iria fazer. Os dois estudaram juntos apesar de meu marido ter de dividir os estudos com o trabalho de comerciante", contou. Santos está se submetendo às provas do Enem na Escola Estadual Maria Ivone Santos, localizada no Conjunto Eustáquio Gomes.

Ivonete Maria Cavalcanti, 66, veio do conjunto Salvador Lira, acompanhar o neto Wendell Ihoan, 15, em seu primeiro Enem. O garoto pretende tentar ingressar daqui há dois anos no curso de engenharia. "Ele estava tranquilo, mas eu resolvi acompanhá-lo e esperar porque moramos longe. Ele ficou mais seguro em saber que estou por aqui. Amanhã estarei aqui de novo."

A comerciária Edvanda Silva Mendes, 43, estava na porta da Escola Estadual Moreira e Silva, no Farol, também esperando a filha Amanda Carla Mendes, 18. "Não viemos juntas porque eu trabalhei hoje, mas eu disse a ela que quando eu saísse da firma viria logo para cá. Estou ansiosa para saber como foi a chegada dela porque meu telefone celular descarregou, mas sinto que foi tranquila", disse.

Mais Vestibular