PUBLICIDADE
Topo

Estudantes fazem filas para entrar em biblioteca na China

Estudantes fazem fila para entrar em biblioteca em universidade em Nanjing, na China - Reprodução/Daily Mail
Estudantes fazem fila para entrar em biblioteca em universidade em Nanjing, na China Imagem: Reprodução/Daily Mail

Do UOL, em São Paulo

14/01/2015 18h30

O frio não é capaz de desanimar os estudantes que esperam em longas filas para encontrar um espaço para estudar na biblioteca da Universidade de Finanças e Economia, em Nanjing, na China. As informações são do site britânico “Daily Mail”.

A espera começa horas antes da abertura da biblioteca e persiste mesmo com temperaturas abaixo de zero. As filas, dizem os estudantes, são causadas pela escassez de lugares na biblioteca. O problema piora no período das provas finais, quando os alunos mais se dedicam aos livros.

Segundo o porta-voz da União dos Estudantes, Um Chang, algumas bibliotecas do país têm privatizado salas de estudo. Ou seja, quem tem dinheiro para pagar uma taxa anual não precisa esperar. “Os alunos querem trabalhar duro, mas ficar de pé durante horas para conseguir um lugar para estudar é um desperdício de tempo”, disse.

As universidades admitem que têm adotado a medida para conseguir arrecadar dinheiro, mas os alunos dizem que agora há menos espaço disponível. “A biblioteca pertence a todos os alunos, as cabines são um bom serviço, mas apenas para um pequeno número de alunos. Para a maioria de nós, o espaço de estudo foi reduzido”, afirmou um estudante.

Estudantes fazem fila na entrada da biblioteca de uma universidade em Nanjing, na China - Reprodução/Daily Mail - Reprodução/Daily Mail
Estudantes fazem fila na entrada da biblioteca de uma universidade em Nanjing, na China
Imagem: Reprodução/Daily Mail

“Todos os dias eu tenho que acordar cedo e pegar fila”, disse outro estudante. “Uma biblioteca universitária não deve ser administrada como uma organização sem fins lucrativos, com estudantes tratados de forma desigual com base no dinheiro”.

A universidade informou que 169 cabines de estudo foram vendidas no primeiro dia de oferta. A maioria delas foi reservada por estudantes que farão exames de pós-graduação. “A atmosfera é importante para os alunos que estão se preparando para os exames importantes. Por isso, as cabines foram criadas”, disse o porta-voz da universidade Lu Hin.

As reclamações, porém, se estendem aos que conseguiram pagar por uma sala de estudo na biblioteca, porque não podem compartilhá-las com amigos.