PUBLICIDADE
Topo

Vestibular

Primeiros a saírem do Enem reclamam de questões difíceis e textos longos

Colaboração para o UOL, em Curitiba, Maceió, Porto Alegre e no Rio

24/10/2015 16h24Atualizada em 24/10/2015 20h26

Os primeiros candidatos a deixarem a prova do Enem 2015 (Exame Nacional do Ensino Médio) reclamaram da dificuldade das questões de ciências da natureza e do tamanho dos enunciados. Neste sábado (24), os alunos enfrentaram 90 questões de Ciências Humanas e de Ciências da Natureza. 

O estudante João Pedro Santos, de 14 anos, se assustou com a complexidade da prova. “Fiz só para testar, mas mesmo assim me apavorei porque não sabia quase nada. Foi uma prova muito difícil e trabalhosa”, disse o estudante do 1º ano do ensino médio da Escola Batista, na zona central de Porto Alegre.

Em Porto Alegre, o professor de biologia Guilherme Bertuzzi, da rede pública de ensino do Rio Grande do Sul, disse que um aluno da rede pública dificilmente teria condições de se sair bem no exame. “Encontrei dificuldade em várias questões, mesmo tendo contato bastante próximo com as ciências da natureza. Para alunos da rede pública, que têm uma defasagem histórica em conteúdos importantes, não é nada simples uma prova dessas”, disse o professor, que fez o Enem com o objetivo de tentar uma segunda graduação.

Mesmo nas questões de biologia o candidato conta que enfrentou algumas dificuldades. Nas questões de humanas, Bertuzzi viu problema na extensão dos enunciados. Segundo ele, nenhuma questão prescindiu de longos textos explicativos. “Não estava difícil, não é isso. Mas com certeza é muito cansativa”, definiu o professor.

"Caiu muita coisa sobre água e eletricidade", comentou Amanda Camargo da Silva, 17, a primeira a deixar o Colégio Estadual do Paraná, em Curitiba. A estudante pretende conseguir uma bolsa em Medicina. Para a redação, a estudante diz esperar temas sobre economia e intolerância religiosa.

Política e literatura também exigiram atenção redobrada por parte dos estudantes, como explica Alisson Azambuja, 19, que cursa ciências aeronáuticas. "Meu objetivo é conseguir uma boa nota no Enem para financiar meu curso através do Fies", conta. "Amanhã (25) é matemática, e vai ser um pouco mais complicado", diz o candidato.

Em Maceió, Valdenice Pereira, 35, deixou a sala às 15h35 (horário de Brasília) e reclamou do nível da prova de tecnologia. "Achei as primeiras questões bem complicadas, mas ficar na sala esperando mais tempo sem ter o que fazer era pior", contou a pedagoga que quer cursar nutrição.

No Rio de Janeiro, Murilo Menezes, achou a prova estava difícil. "As questões estavam punk. A matéria mais difícil foi química, seguida por física e biologia. Já as questões de humanas estavam mais tranquilas. O que eu não quero é zerar nada. Vamos aguardar", comentou o aluno de 18 anos, que pretende estudar engenharia de produção.

"Fui muito bem em humanas, mas a prova de química estava bem difícil. As de física também estavam, mas nada comparado às de química. Além da dificuldade, as questões envolviam muitos cálculos, o que fazia com que a gente perdesse muito tempo", opinou a estudante Clara Brandão, 17, que pretende cursar comunicação visual no Rio de Janeiro.

Vestibular