PUBLICIDADE
Topo

Vestibular

Sem estudo desde 1988, mulher tem apoio da filha, volta às aulas e faz Enem

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

25/10/2015 14h48

Em 1988, quando tinha 16 anos, Ana Lúcia da Silva largou os estudos ao concluir o antigo ensino fundamental. De lá para cá foram anos com trabalhos informais, baixos salários e sem perspectiva. Em 2015, ela resolveu voltar à sala de aula para tentar aprovação no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e cursar uma faculdade.

Para isso, contou com o incentivo da filha universitária, que cursa farmácia em Maceió.

"Há cinco anos já vinha fazendo cursos, participando de projetos, me envolvendo. Mas este ano resolvi voltar e estou fazendo EJA (educação de jovens e adultos). Estou muito feliz e confiante, concluo o curso em janeiro", contou a mulher, que faz provas no Centro de Ensino Superior de Maceió.

O objetivo de Ana Lúcia é fazer algum curso ligado à área de energia. "Não decidi ainda bem, mas quero fazer algo nessa área. Gosto de eletricidade", disse.

Porém, para conseguir uma vaga, ela enfrenta, neste domingo (25), seu maior temor: a redação. "Acho sem dúvida a pior. A prova de ontem foi 'mais ou menos', mas hoje a redação é fogo. Mas acho que é assim mesmo, a gente vai avançando aos poucos", afirmou.

Vestibular