PUBLICIDADE
Topo

Aos 68, Dona Êda é educadora de jovens e adultos e líder em tempo integral

Dona Êda está à frente do Cieja Campo Limpo há quase 20 anos - Arquivo Pessoal
Dona Êda está à frente do Cieja Campo Limpo há quase 20 anos Imagem: Arquivo Pessoal

Janaina Garcia

Colaboração para o UOL, em São Paulo

14/04/2016 12h26Atualizada em 14/04/2016 14h17

A professora Êda Luiz, 68, entra no trabalho às 7h e sai às 22h, de segunda a sexta-feira há, pelo menos, 18 anos no Cieja (Centro Integrado de Educação de Jovens e Adultos) Campo Limpo, que fica na zona sul da cidade de São Paulo.

Apesar do tempo de casa e de serviço, ela ainda se emociona -- todos os dias, garante -- com as histórias dos alunos (adolescentes, jovens e adultos) da escola em que atua. "É algo inexplicável a energia dessas pessoas", diz. "Ninguém é obrigado a vir para a escola – as pessoas vêm porque querem."

Dona Êda, como é mais conhecida, acabou se tornando uma liderança da comunidade que frequenta o estabelecimento de ensino. Professora aposentada, ela prestou um concurso para a EJA (Educação de Jovens e Adultos) anos atrás e pouco depois foi convidada para coordenar o Cieja, na rede municipal.

São cerca de 1.300 alunos, divididos em dois ciclos: o Ciclo 1, ou de pré-alfabetização, e o Ciclo 2, de pós alfabetização. Desse total, 400 são jovens e adolescentes de 15 a 17 anos – não raro, entre eles, alunos expulsos de outras escolas –; outros 300, alunos com necessidades especiais, e o restante, adultos e idosos.

Não há separação dos alunos deficientes: eles participam das aulas nas turmas regulares, mas têm aulas específicas. Surdos, por exemplo, aulas de libras; cegos, de braile.

Alunos estudam temas preferidos

As turmas do Cieja Campo Limpo não são divididas por série ou ano -- eles se agrupam entre os que são alfabetizados e os que ainda precisam aprender a ler e escrever. A matéria da aula gira em torno de assuntos que sejam do interesse deles.

No começo do ano, ainda sem a divisão em ciclos, a escola fez uma entrevista com cada aluno para identificar o nível de escolaridade, mas também para saber: que temas eram pertinentes a ele, em uma escala crescente? A partir daí, o Cieja constatou que, nesta ordem, família, comida, esporte/viagens e trabalho eram os que mais os mobilizavam. 

“Percebemos que esses temas eram as preocupações do nosso público, que, de maneira geral, é formado por excluídos – ou por todos que, de alguma maneira, passaram por uma escola, mas não conseguiram concluir. Todo tipo: desde o adolescente excluído da escola regular por indisciplina, abandono, transferência, aos jovens que precisaram se lançar à vida e deixar os estudo, e mesmo os idosos aos quais não foi permitido estudar – geralmente migrantes”, conta dona Êda.

Em vez de disciplinas, a escola trabalha com quatro grandes áreas de conhecimento - linguagens e códigos (português e inglês), ciências humanas (geografia e história), ciências do pensamento (ciências e filosofia) e ensaios lógicos e artísticos (matemática e artes). Os alunos ficam em cada uma delas durante quatro semanas e desenvolvem o que chamam de sequência a partir de problemas que eles mesmos trazem. Os professores fazem a mediação do processo. Para isso, são usados os livros, jornais, revistas e o que mais os estudantes considerarem relevante para a solução.

E os problemas levados pelas turmas agora: algum deles relativo à crise ou à polarização política?

“Sim. E isso vai desde exposições mensais sobre política, em que eles mostram o que marcou cada governo, desde Collor para cá, a temas como ditadura: os que não viveram estão pesquisando o que é isso, e sobre democracia: o que é esse jogo político? Eles estão super interessados em entender, não em tomar posições”.

“Educação pública de qualidade empodera”

Dona Êda admite que o trabalho é do tipo árduo, dia após dia, mas do tipo que, explica, mudou suas próprias concepções sobre escola pública e escola privada.

“A gente não costuma acreditar muito em uma educação pública de qualidade, mas consegui perceber que isso é possível desde que a gente trabalhe de forma clara, transparente, com responsabilidade pelos atos. Como a gente quer administrar esse conhecimento no setor público para que as coisas aconteçam e essa diferença entre os tipos de ensino seja menor? É uma pergunta que fica aos educadores. Porque a diversidade na escola pública é maior, é espantosa e é maravilhosa – ela nos faz crescer, nos faz pesquisar, é um desafio constante”, diz.

Mãe de três filhos e avó cinco vezes, ela jura que a família não implica com as longas horas fora de casa, próximo a seus 70 anos de idade. “Sinto que eles têm uma admiração pelo que faço, mesmo porque, são bem engajados pela causa da educação”, responde.

Se os 18 anos de Cieja trouxeram algo novo à vida da experiente professora? “Trouxeram ousadia, me trazem emoção todo dia, quando vejo a superação de cada um desses marginalizados e excluídos da educação, e me trazem sobretudo a crença de sempre apostar nas mudanças pela educação pública de qualidade. Isso empodera qualquer um.”