Enem

Enem 2017: mais de 3 milhões de inscrições até 18h deste sábado

Do UOL, em São Paulo

O Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2017 recebeu 3.059.538 inscrições até as 18h deste sábado (13), segundo o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira).

A taxa de inscrição é de R$ 82 e deve ser paga até 24 de maio. O boleto pode ser quitado em qualquer agência bancária, nas lotéricas ou ainda nas agências dos Correios.

Provas em dois domingos

Neste ano, as provas serão realizadas em dois domingos consecutivos, nos dias 5 e 12 de novembro. A mudança, segundo o Inep, foi realizada com base no resultado de uma consulta pública realizada pelo MEC (Ministério da Educação).

No primeiro dia, serão aplicadas as provas de redação, Ciências Humanas e Linguagens, e os candidatos terão até 5h30 para redigir a dissertação e responder a 90 questões de múltipla escolha.

Já no segundo domingo de provas, os inscritos farão as provas de Matemática e Ciências da Natureza, com 4h30 de duração no total para responder a outras 90 questões.

O Enem deixa de ser utilizado neste ano como forma de obtenção do certificado de conclusão do ensino médio. Também não será mais feita a divulgação do ranking por escolas.

A previsão é de que o resultado do Enem seja divulgado no dia 19 de janeiro de 2018.

Divulgação/Inep
Principal tela do sistema de inscrição do Enem 2017

Isenção

Estudantes do 3º ano do ensino médio da rede pública continuam tendo direito à inscrição gratuita.

Para participantes de baixa renda que desejam solicitar a isenção, as regras mudaram. Este ano, a depender da faixa de renda, será preciso estar inscrito no Cadastro Único do governo federal, utilizado para o acesso a programas sociais como o Bolsa Família. Os participantes precisarão informar o número do NIS (Número de Identificação Social), usado no cadastro do governo, no ato da inscrição.

Essa exigência vale para inscritos que pedirem isenção por terem renda familiar de até três salários mínimos (R$ 2.811), ou de até meio salário mínimo (R$ 468,50) por cada membro da família.

Mas também podem pedir isenção da inscrição participantes que tiverem cursado os três anos do ensino médio em escola pública (ou como bolsista em escola particular) e que tenham renda familiar, por cada membro da família, de até um salário mínimo e meio (R$ 1.405,50).

Candidatos que conseguirem o benefício da gratuidade e não comparecerem às provas e nem apresentarem justificativa sobre a falta não terão direito à isenção na edição seguinte do exame.

As medidas, segundo o Inep, devem reduzir o número de faltantes que recebem a isenção da taxa e também de pessoas que pedem o benefício sem estar na faixa de renda que possui direito à gratuidade.

Segundo o Inep, o prejuízo com inscritos que receberam a isenção e não compareceram às provas foi de R$ 226 milhões no ano passado, quando o percentual de abstenção dos inscritos que pediram a isenção foi de 42,1% e de 23,8% para concluintes do ensino médio na rede pública, que receberam a isenção automaticamente. 

Este ano o Inep pretende fazer uma auditoria em parte dos inscritos que pedirem a isenção, a partir da comparação da renda declarada com informações da Receita Federal. Candidatos que pedirem a isenção mas, na verdade, não teriam direito ao benefício, serão eliminados do exame. 

Necessidades especiais

Participantes com necessidades especiais e em determinadas condições de saúde, como deficiências visuais e dislexia, por exemplo, podem pedir o tempo extra de uma hora para a realização da prova.

Esse pedido, no entanto, deve ser realizado na hora da inscrição, mediante apresentação de laudo médico. Antes, a solicitação podia ser feita aos fiscais no momento da aplicação da prova.

Candidatos surdos e com deficiências auditivas poderão, ainda, participar da aplicação experimental da prova com o apoio de um vídeo que apresentará as questões traduzidas para Libras (Língua Brasileira de Sinais).

Esses inscritos também podem optar pela leitura labial ou por um tradutor-intérprete da Libras para apoio na tradução das orientações gerais da prova e na compreensão da língua portuguesa escrita, recursos que são tradicionalmente oferecidos pelo Inep.

Entenda a nota do Enem

A metodologia utilizada para correção do Enem é a TRI (Teoria de Resposta ao Item), modelo estatístico que permite comparar o desempenho em diferentes edições da prova. Na TRI, leva-se em conta para o cálculo da nota não apenas o número de acertos do candidato, mas o nível de dificuldade de cada item.

Na TRI, leva-se em conta a coerência das respostas do participante diante do conjunto das questões que formam a prova. Por isso, o número de acertos não tem correspondência direta com a pontuação final.

Não é possível comparar o número de acertos nas provas de diferentes áreas do conhecimento. Se um aluno acerta a mesma quantidade de itens nas provas de matemática e ciências humanas, por exemplo, não significa que a pontuação obtida será igual. Isso porque o nível de dificuldade de cada prova e dos diferentes itens que a compõe afeta esse cálculo final.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos