Gilmar ironiza sobre Estado laico: "Espírito Santo será espírito de porco?"

Daniela Garcia

Do UOL, em São Paulo

O STF (Supremo Tribunal Federal) deu sequência nesta quinta-feira (21) ao julgamento de uma ação proposta pela PGR (Procuradoria-Geral da República) para que seja proibido nas escolas públicas o ensino religioso com caráter confessional, ou seja, ministrado como doutrinação religiosa, como acontece nas aulas da catequese católica, por exemplo.

Em seu voto, que foi contrário ao pedido da PGR, o ministro Gilmar Mendes ironizou o conceito de que, por ser um estado laico, o Brasil abandone as referências religiosas que têm em nomes de estados, feriados nacionais e até em monumentos públicos.

"São Paulo passaria a chamar Paulo? Santa Catarina passaria a chamar Catarina? E o Espírito Santo? Poderia se pensar no espírito de porco", disse o ministro.

Para Gilmar, "ainda que o Estado seja laico, a religião foi e continua sendo importante para a própria formação de diversas sociedades e da sociedade brasileira".

Contrário à alteração na disciplina religiosa, Gilmar Mendes disse que símbolos cristãos do Brasil poderão ser extintos em consequência da discussão desta ação.

"Será que precisaremos em algum momento chegar a discutir a retirada da estátua do Cristo Redentor, do Morro do Corcovado, por simbolizar a influência cristã em nosso país? Ou a extinção do feriado nacional da padroeira, Nossa Senhora Aparecida?", questionou.

A argumentação de Gilmar provocou risadas do ministro Celso de Mello, vizinho na bancada do STF, ao dizer que o nome do Estado do Espírito Santo poderia virar "espírito de porco ou qualquer outra coisa".

Julgamento ainda não está definido

Com 5 votos a 3, a maioria do STF votou nesta quinta como improcedente o pedido da Procuradoria-Geral da República. O julgamento da ação, porém, não está resolvido. Faltam ainda os votos de Cármén Lúcia, presidente do Supremo, e dos ministros Celso de Mello e Marco Aurélio de Mello. 

O julgamento foi suspenso às 17h30, por causa do fim da sessão.

Votaram contra o pedido da Procuradoria, e a favor do ensino confessional, os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski.

Já os ministros Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux concordaram com a ação da Procuradoria e entenderam que as aulas em escolas públicas não podem ter conteúdo de apenas uma religião.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos