Topo

Antes da greve, governo rebate aliados e nega recuo de cortes na Educação

Luciana Amaral e Guilherme Mazieiro

Do UOL, em Brasília e São Paulo*

14/05/2019 19h30Atualizada em 14/05/2019 23h08

Resumo da notícia

  • Em abril, o novo ministro da Educação, Weintraub, disse que bloquearia parte de recursos de universidades
  • Universidades de 26 estados e do DF convocaram manifestações para amanhã; algumas escolas particulares de SP também aderiram
  • Líderes partidários reunidos com Bolsonaro hoje e do próprio PSL disseram que o presidente pediu para cancelar o congelamento
  • Em nota, a Casa Civil do governo diz que o "cancelamento do contingenciamento" não procede
  • Ministro da Educação foi convocado para explicar cortes no setor nesta quarta-feira

Horas antes do que se projeta como a primeira grande greve do governo Bolsonaro, aliados e máquina pública batem cabeça nesta noite e divulgam informações contraditórias sobre os cortes orçamentários no Ministério da Educação (MEC).

"O presidente Jair Bolsonaro ligou para o ministro Abraham Weintraub na nossa frente e pediu para rever [os cortes]. O ministro tentou contra-argumentar, mas não tem conversa", afirmou ao UOL o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (PSL-GO).

O telefonema e a determinação de encerrar o congelamento no MEC foram relatados por Waldir e ao menos mais quatro lideranças partidárias que se reuniram com Bolsonaro neste fim de tarde, antes de o presidente viajar para os Estados Unidos. Ele se reuniu com parlamentares para tentar salvar a reestruturação ministerial, em reunião fora da agenda oficial.

Mas o Ministério da Educação e a Casa Civil do governo negaram a informação.

No meio desse impasse, manifestações em universidades e escolas públicas continuam agendadas para esta quarta-feira (15) em 26 estados e no Distrito Federal.

A Câmara de deputados convocou o ministro Weintraub para explicar os cortes no setor também amanhã.

Vai ter corte na Educação? Quem diz que sim:

  • O Ministério da Educação, em nota após a publicação de primeira versão desta reportagem:

"O Ministério da Educação esclarece que a informação [de que os cortes foram suspensos] não procede".

  • A Casa Civil, também após versão inicial deste texto ter sido publicada:

"Não procede a informação de que haverá cancelamento do contingenciamento no MEC. O governo está controlando as contas públicas de maneira responsável"

  • A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP), líder do governo no Congresso:

Vai ter corte na Educação? Quem diz que ouviu o Bolsonaro dizendo que não mais:

  • O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), que após MEC e Casa Civil o contradizerem disse:

"A Casa Civil e a Joice estão desmentindo o presidente da República. Eu não sou mentiroso. Eu não sou cego, nem surdo nem mudo. Eu vi o que o presidente falou. E é o que eu te disse".

  • O líder do Novo, Marcel Van Hattem (RS), que também estava na reunião:

"Na nossa frente, o presidente ligou para o ministro, disse que era uma determinação de que não haveria mais contingenciamento e ponto. Então foi isso o que presenciamos".

  • Deputado Capitão Wagner (PROS-CE), também presente à reunião:

"Não vou admitir, sendo aliado do governo, ser chamado lá no Palácio do Planalto, para tratar de uma questão séria como essa, presenciar o presidente da República pegar um celular, ligar para o ministro na presença de vários líderes de partidários - tava lá o líder do PROS, o líder do PV, o líder do Podemos, o líder do governo, o líder do PSL, e com todas as letras o presidente disse que agora o corte está suspenso".

  • Deputado José Nelto (GO), líder do Podemos, também após a reunião e a polêmica:

""Nós não somos mentirosos. (...)Vi o presidente ligando para o ministro e falando para suspender o corte no MEC. O governo vai pagar um custo muito alto por isso".

Parlamentares falam em boato criado pelo governo

Após a divulgação de informações contraditórias por parte do MEC -- a quem cabe a decisão de manter ou cancelar cortes no orçamento das universidades -- e por aliados, deputados se manifestaram e falaram em "boatos" criados pelo próprio governo.

"Quem criou o boato? Foi o governo, que voltou atrás e depois voltou atrás de novo. Recuou duas vezes. Espero que os demais parlamentares que estavam na reunião amanhã possam indagar o ministro da Educação se ele recebeu ligação telefônica do presidente. Porque ou o ministro está mentindo, ou o presidente não ligou para ele. Será que o presidente forjou a ligação na nossa frente? Tenho certeza que não", afirmou o deputado Capitão Wagner no plenário.

José Nelto, do Podemos, disse estar "indignado" e afirmou que o governo está criando "inimigos dentro dos possíveis aliados".

30% ou 3,5%: Quanto Bolsonaro cortará nas universidades federais?

UOL Notícias

*Colaborou Ana Carla Bermúdez, do UOL, em São Paulo

Educação