PUBLICIDADE
Topo

Covas rejeita pressão e diz que escolas pública e privada voltam juntas

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), disse que não atenderá a pressões para reabertura de escolas - Newton Menezes/Futura Press/Estadão Conteúdo
O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), disse que não atenderá a pressões para reabertura de escolas Imagem: Newton Menezes/Futura Press/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

10/08/2020 13h58

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), disse hoje que a data de retorno das escolas públicas e privadas na capital paulista será a mesma. Em entrevista à rádio CBN, Covas afirmou que não atenderá a pressões e só vai liberar aulas presenciais quando tiver o aval da equipe de saúde.

Na última sexta-feira (7), o governo de São Paulo adiou a retomada das aulas para o dia 7 de outubro, mas a prefeitura da capital espera o resultado do inquérito sorológico para apresentar uma decisão sobre o tema

"Aqui a data vai ser a mesma para escola pública e para escola privada. A data de retorno vai ser a mesma, mas peculiaridades aí só dentro da escola pública eu trato, em privada só com estabelecimento de protocolos. A questão é de saúde, não de ensino. É perigoso para todo mundo, não vai ter data diferente", disse Covas.

"Ainda aguardaremos resultados inquéritos sorológicos para crianças de 4 a 14 anos. Nós vamos esperar os dados específicos para tratar essa decisão (de data). O que a população pode ter em mente é que aqui na cidade não vai ser pressão do político A, do grupo B, de sindicatos, políticos?. Vai ser a área da saúde, quando for possível", completou.

O governo de São Paulo também anunciou na última semana a possibilidade de reabertura das escolas públicas e particulares, a partir de 8 de setembro, para a realização de atividades de reforço e acolhimento em regiões do estado que tenham permanecido na fase amarela do Plano São Paulo por pelo menos 28 dias.

Covas não falou sobre essa possibilidade, mas o UOL noticiou na última sexta-feira (7) que a secretaria Municipal de Educação optou por não reabrir as escolas neste prazo.