PUBLICIDADE
Topo

Oposição vai à Justiça contra plano de carreira de professores do Rio

No Rio de Janeiro

02/10/2013 16h22

Um dia depois de a Câmara dos Vereadores aprovar o Plano de Cargos e Salários proposto pelo prefeito Eduardo Paes (PMDB), que sancionou a nova lei ainda na terça-feira (1º), os advogados assumem a linha de frente no embate entre a prefeitura do Rio e o Sepe (Sindicato dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro).

  • FuturaPress

    Com plano de carreiras, Prefeitura do Rio pede que docentes terminem greve

  • Fábio Teixeira/UOL

    Professores entraram em confronto com a polícia no centro do Rio

  • Juliana Dal Piva

    Professora é ferida por bomba durante protesto no Rio

Passado o impacto do confronto de terça-feira entre a Polícia Militar e os manifestantes, os argumentos jurídicos dominam as ações. Dois processos serão iniciados: um de parte dos vereadores de oposição ao governo Paes e outro do próprio sindicato.

O grupo de nove vereadores de oposição subscreveu processo para impetrar mandado de segurança anulando a tumultuada sessão da Câmara na terça. Eles pretendem protocolar a medida nesta quarta-feira (2). 

Os argumentos dos vereadores no pedido pela nulidade serão que a sessão descumpriu o artigo 61 do regimento da própria Câmara, que estabelece a obrigatoriedade de que as sessões sejam abertas ao público e de que os requisitos mínimos de segurança para a realização da votação não foram obedecidos.

O Sepe, em outra frente, se debruça sobre o teor do texto do novo Plano de Cargos e Salários. Segundo a coordenadora-geral do sindicato, Ivanete Conceição da Silva, os advogados vão tentar derrubar a lei por incoerências entre o que estabelece a lei carioca e a LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação).