UOL EducaçãoUOL Educação
UOL BUSCA

Português

Proposta da redação

É impossível você fazer um bom texto sem compreender o que lhe foi pedido

Sueli de Britto Salles*
Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação
Tanto nos vestibulares quanto na prova do ENEM, muitos alunos se afobam diante da tarefa de escrever uma redação. A pressão do tempo limitado e a ausência de material de consulta levam a maioria a registrar rapidamente no papel as primeiras ideias que conseguem ter sobre o tema. Isso não é de todo ruim, já que, agindo dessa forma, alguma produção fica garantida. É certamente melhor do que - na busca do texto perfeito - não conseguir produzir nada! No entanto, está longe de ser o ideal.

Antes e depois da produção da redação, uma leitura atenta da proposta deve ser realizada, para conferir se realmente o texto cumpre as exigências da prova. Vale sempre lembrar que a nota a ser atribuída ao trabalho do aluno está dividida em cinco competências com pesos iguais. Duas delas (a de número 2, adequação ao tema e ao tipo de texto, e a 5, proposta de ação social que respeite os direitos humanos) podem justificar uma nota zero.

No ENEM 2009, por exemplo, o tema da redação era "ética nacional". Um dos quesitos avaliados pela banca corretora foi (e é sempre) o nível de compreensão da proposta, que se compunha dos seguintes itens:

1) um texto inicial de orientação,
2) uma charge,
3) dois textos opinativos publicados na mídia sobre o assunto.

Não há dúvida de que o item 1 é o mais importante deles. Vamos observá-lo com mais atenção, para ampliar a compreensão que dele temos:

Página 3

Para analisá-lo, é importante ir por partes:



Página 3

O conteúdo do texto que nos é exigido deve, portanto, mesclar dados dos textos motivadores com conhecimentos individuais. Em outras palavras, o autor deve usar seu próprio repertório cultural para analisar os tópicos expostos na coletânea. As informações trazidas pelo participante terão mais valor quanto mais se ajustarem para a defesa do ponto de vista e menos se aproximarem do conhecimento popular desgastado; assim, deve-se fugir dos exemplos óbvios e dos modismos.

É importante que o candidato mostre seu conhecimento de atualidades, o que pode ser obtido com leitura atenta e constante de jornais e revistas impressos ou eletrônicos (semanalmente, o UOL Educação traz um artigo sobre os principais eventos do período). Também conta muito a sua habilidade em fazer relações interdisciplinares, usando conhecimentos adquiridos em leituras literárias e nas diversas disciplinas cursadas durante o Ensino Médio.

Página 3

A proposta é clara na orientação do tipo de texto. O não cumprimento dessa condição pode fazer com que a redação seja desconsiderada pela banca corretora. Para atender completamente a essa exigência, não basta saber as diferenças gerais entre dissertação e narração, por exemplo. Espera-se que o candidato reconheça as diferenças entre dissertação expositiva e dissertação argumentativa, já que a primeira expõe os vários lados do tema analisado e a segunda foca os argumentos na defesa de um lado do tema polêmico.

Página 3

Os textos de apoio (coletânea) estão subordinados ao tema sintetizado na proposta inicial e devem servir como suporte, nunca o substituindo. Assim, a redação que abordar a discussão presente em apenas um dos textos da coletânea, ignorando o tema especificado nessa orientação inicial, poderá ser avaliada como possuidora de uma abordagem tangencial do tema ou até mesmo como fora do tema (itens avaliados na competência 2), dependendo do recorte que fizer do texto lido.

Além disso, muitos participantes argumentam sobre o tema mas não apresentam proposta, item responsável pela competência 5 na redação do ENEM, representando 20% da nota total da redação. Merece atenção especial a orientação explicitada em "que respeite os direitos humanos", pois o descumprimento dessa condição também pode levar à desconsideração do texto.

Página 3

Quando se inicia a reflexão sobre o tema, naturalmente muitas ideias e exemplos surgem, mas nem todos realmente são bons para a redação. O indivíduo que não planeja a estrutura e o conteúdo do seu texto antes de escrevê-lo tende a usar todos os dados que lhe vêm à mente e na ordem em que aparecem. Com algumas raras exceções, é o típico caso de quem costuma escrever sem fazer rascunho.

Para fazer um paralelo sobre o problema dessa atitude, imaginemos duas construções: uma casa construída sem projeto, e com a simples sobreposição de materiais recolhidos aleatoriamente pelo caminho, e outra projetada e desenhada a partir de conceitos estruturais, com a prévia seleção dos materiais necessários para cada etapa da construção.

Assim, devem-se selecionar informações e argumentos, organizá-los em grupos funcionais para compor os parágrafos e relacionar a sequência de parágrafos, para que a leitura de uma etapa do texto conduza o leitor naturalmente à próxima etapa. Dessa forma, na nossa construção imaginária, evitaremos banheiros dentro da cozinha, quartos sem portas e janelas ou, o que é pior, um aglomerado de entulho desmoronado por falta de sustentação.

Portanto, pior do que "perder tempo" com uma leitura mais atenta da proposta é, com certeza, descobrir, ao final, que a redação pronta está em desacordo com as orientações iniciais.

Sueli de Britto Salles é mestra em língua portuguesa, leciona em cursos universitários e participa de bancas corretoras de redações em vestibulares.
Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Compartilhe:

    Receba notícias

    Dicionários

    Michaelis


    Tradutor Babylon


    Dicas de Português Banco de Redações

    Redações avaliadas por uma equipe especializada em correção de prova de vestibular e Enem

    Ditados Revisão Testes e Simulados Revistas e Sites

    Shopping UOL

    Hospedagem: UOL Host