UOL EducaçãoUOL Educação
UOL BUSCA

Últimas Notícias

21/12/2007 - 09h00

Estudantes adotam invasão de reitorias como tática de protesto em 2007

Bruno Aragaki
Da redação
A ocupação de reitorias foi a tática escolhida pelos universitários brasileiros em 2007 para chamar atenção para sua pauta do ano. Autonomia universitária, preço das mensalidades e ampliação de vagas no ensino superior foram algumas das reivindicações.

Basicamente, os atos de protesto tiveram três motivações centrais: os decretos publicados pelo governador paulista no início do ano, o Reuni (Programa de Reestruturação e Expansão das Universidades) e questões administrativas em instituições particulares.

CRISE NAS UNIVERSIDADES
Folha Imagem
Começa em maio a crise na USP: há protestos contra decretos de Serra
Folha Imagem
Suplicy (PT-SP) negocia com universitários em ocupação de reitoria
Folha Imagem
Em novembro, mais ocupações de reitoria: desta vez, na PUC-SP
MAIS FOTOS
O caso de maior repercussão - e duração - do ano foi o da USP, uma das principais universidades do país.

Por meio de decretos, o governador paulista, José Serra (PSDB), criou no início de seu mandato a Secretaria de Ensino Superior, à qual estariam subordinadas as universidades públicas.

Para os críticos, a medida feria o princípio da autonomia das universidades públicas. Como forma de protesto, cerca de 300 universitários invadiram, em 3 de maio, o prédio da administração central da USP.

Até a desocupação da reitoria, passaram-se 51 dias, durante os quais houve ordem de reintegração de posse, ameaça de invasão do prédio por parte da tropa de choque da Polícia Militar e ampla cobertura da mídia.

Na seqüência, o país assistiu a uma verdadeira onda de ocupações de reitorias. No mês seguinte, estudantes da Unesp (Universidade Estadual Paulista) e da Unicamp (Universidade de Campinas), que também seriam afetadas pelos decretos, invadiram reitorias e salas administrativas no interior do Estado de São Paulo.

O descontentamento com o Reuni impulsionou novas manifestações, dessa vez em todo o país.

Bahia, Espírito Santo, Pará, Rio de Janeiro e Santa Catarina também deram lugar a esse tipo de ocupação, uma "radicalização do movimento estudantil", como definiu Lúcia Stumpf, presidente da UNE (União Nacional dos Estudantes).

Stumpf disse que a entidade teve "ampla participação em todas as ocupações do ano", motivo de controvérsia entre as lideranças estudantis.

"Durante a ocupação na USP, a UNE chegou a publicar uma carta aberta contra o ato", diz João Dorta, da Aliança Juventude Revolucionária, grupo com forte atuação na universidade.

Sem articulador central

O fato é que o movimento estudantil no Brasil tem, agora, liderança mais diluída do que se via em décadas anteriores - o que despertou o interesse do sociólogo português Elísio Estanque, no Brasil durante a ocupação da reitoria da USP.

"No caso da invasão da USP, a imprensa, em busca de protagonistas, ficou perdida, pois não havia uma personalidade central. Mas os movimentos de hoje são assim, mais voláteis, numa sociedade marcada pela desfiliação e pela falta de identidade. Não existe o mesmo contorno que havia nas décadas de 60 ou 70", analisa.

Professor da Universidade de Coimbra e estudioso dos movimentos estudantis, Estanque classificou a ação na USP de "surpreendente". "Os universitários do mundo atual inserem-se nos cursos superiores de olho no mercado de trabalho, cada vez menos envolvidos com questões políticas", afirma.

"Do ponto de vista sociológico, as invasões são interessantes por terem feito a sociedade discutir, ainda que por um momento, questões das quais não se falava", diz Estanque.

Avalizada por parte dos estudantes e professores, as invasões também foram alvo de críticas.

"É uma forma de protesto que não me parece a mais eficiente. Dá visibilidade, mas nem sempre atingem os seus propósitos", diz o senador Eduardo Suplicy (PT-SP).

Suplicy foi chamado para intermediar as negociações entre estudantes e reitoria em duas situações neste ano: a da invasão da Fundação Santo André, em setembro, e a da USP, em maio.

Confrontos com a PM

Em algumas situações, a ocupação de manifestantes em prédios de universidades terminou em confronto com a polícia.

Foi o que aconteceu em 13 de setembro quando a Polícia Militar foi à Fundação Santo André, em São Paulo, retirar um grupo de alunos que ocupava a reitoria da instituição havia quatro horas. Eles protestavam contra um suposto aumento de mensalidades.

A PM disse ter tentado negociar a saída pacífica dos estudantes, que não atenderam aos pedidos. Houve tumulto e ao menos um estudante ferido. O comandante da operação foi afastado.

Em agosto, o prédio da Faculdade de Direito da USP, no centro de São Paulo, também foi palco de confronto entre PMs e manifestantes.

Cerca de 250 pessoas, entre estudantes e membros de movimentos sociais, foram retiradas do prédio pela tropa de choque da Polícia Militar, em ação classificada de "calma" pela PM, e de "truculenta", pelos participantes.

Declarados contrários ao "redesenho institucional", programa de mudanças na administração da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), 250 estudantes ocuparam a reitoria em novembro.

Os manifestantes permaneceram cinco dias no local. Saíram depois da chegada da PM.

Leia mais

Entenda a ocupação na reitoria da USP

Após 28 dias de crise na USP, Serra altera redação de decreto e reafirma autonomia

Com prédio ocupado, reitoria da UFPR discute Reuni no HC

Proibição a festa provoca invasão da reitoria da UFPA

Reitora da PUC-SP afirma que sabia da possibilidade de invasão desde junho

Policiais retiram grevistas que ocupavam prédio da Fundação Santo André

Estudantes protestam em 6 Estados; reitorias são invadidas

Faculdade de Direito da USP amanhece fechada em dia de protestos

Com informações da Folha Online

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Compartilhe:

    Receba notícias

    Lição de Casa Dicionários

    Aulete

    Português

    Houaiss

    Português

    Michaelis


    Tradutor Babylon


    Intercâmbio

    Shopping UOL

    Hospedagem: UOL Host