Escritor inglês

Daniel Defoe

1660, Londres (Inglaterra)<br>24 de abril de 1731, Londres (Inglaterra)​





Autor Da Página 3 Pedagogia & Comunicação




  • Domínio público

Filho de dissenters ("dissidentes": nome que era dado aos protestantes não anglicanos), a quem as universidades eram vetadas, Defoe recebeu, apesar disso, boa educação. Pretendia seguir a carreira eclesiástica, mas acabou estabelecendo-se como comerciante.

Defoe empreendeu muitas viagens. Foi proprietário de uma mercearia, armador e fabricante de tijolos, tendo ido à falência em 1692 e em 1703. As dívidas que contraiu iriam atormentá-lo por toda a vida.

Começou a escrever panfletos políticos em 1683, passando a dedicar-se ao jornalismo. Como dissidente, contrário ao rei católico Jaime 2º, participou da malograda rebelião de Monmouth, em 1685.

Em 1710, Defoe publicou "O verdadeiro inglês", panfleto engraçado e vigoroso em defesa do regime parlamentar. No mesmo ano escreveu "A sucessão à coroa da Inglaterra, considerada", defendendo a tese de que o poder político emana do povo, a cujo serviço estão o rei e o parlamento. Baseando-se nessa mesma tese escreveu "Memorial da legião", em defesa de um grupo de whigs (membros do partido liberal, aliado aos dissidentes).

A questão religiosa, intimamente ligada à política, estava no seu auge quando Defoe escreveu o panfleto irônico "O caminho mais curto com os dissidentes", que levou à sua prisão e condenação ao pelourinho. Após sua libertação, em novembro de 1703, editou jornais ora para os whigs ora para os tories.

Como repórter escreveu, minuciosa e factualmente, o "Diário do ano da peste", "Viagem por toda a ilha da Grã-Bretanha" e "Relato verdadeiro da aparição da Sra. Veal". Nesses trabalhos, Defoe desenvolve seu agudo senso de observação, criando estilo próprio, de narrativa lenta e detalhada, atendo-se aos fatos que expõe de maneira lógica e coerente.

Robinson Crusoe e Moll Flandres

Entre 1704 e 1713 escreveu o periódico Review (Revista), a serviço da rainha. A partir de 1715 abandonou a política para dedicar-se à ficção.

Em 1719 publicou seu romance mais famoso, "A vida e estranhas e surpreendentes aventuras de Robinson Crusoe de York, marinheiro". O livro alcançou logo enorme repercussão. Narra a história de um náufrago e sua luta pela sobrevivência numa ilha deserta. Robinson, como o próprio Defoe, é um produto típico da classe média inglesa, um espírito prático que acredita no comércio, na religião e no progresso.

"Robinson Crusoe" tem aspectos de manual sobre como sobreviver na selva, propondo soluções imaginosas para cada situação. Com os seus conhecimentos e a sua fé, o protagonista procura educar o selvagem Sexta-Feira. O tema do romance é abordado de forma realista - e a obra é ao mesmo tempo moralizante e picaresca. Robinson é um pícaro que, longe do mundo, procura recriar a sociedade.

Esse livro de Defoe é um dos mais lidos romances de aventura da literatura universal, sendo imitado em todas as línguas.

Outra importante obra de Defoe é "Venturas e desventuras da famosa Moll Flandres", romance realista, inspirado no romance picaresco espanhol. Nele, Defoe recria o mundo pitoresco dos aventureiros e prostitutas do início do século 18.

Durante mais de dois séculos o nome de Defoe esteve ligado somente a "Robinson Crusoe". Nos últimos anos, "Moll Flandres" voltou à popularidade. Os dois romances devem muito de seu sucesso à maestria com que Defoe cria seus heróis, narrando as histórias na primeira pessoa com uma riqueza de detalhes que as torna extraordinariamente verossímeis.

Enciclopédia Mirador Internacional

UOL Cursos Online

Todos os cursos