Verbos impessoais: Como fazer a concordância?

Jorge Viana de Moraes, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

Os verbos impessoais estarão sempre na 3ª pessoa do singular:

1. HAVER sem sujeito, isto é, impessoal, é frequentemente empregado com sentido de:

a) Existir, ocorrer. Nesse caso, "haver" deve ser empregado sempre na terceira pessoa do singular. Portanto, como se frisa, não tem plural, seja no presente, no passado ou no futuro. Exemplos:

  • Há problemas.
  • Houve muitos alunos.
  • Houve alguns episódios estranhos.
  • Haverá novidades.
  • Nas outras casas do bairro havia a mesma preocupação.
  • A escolha seria mais fácil se não houvesse tantos filmes bons (Odilon S. Leme, Tirando dúvidas de português, p. 30)

    Dá-se o mesmo nas locuções verbais em que o verbo "haver" figura com o sentido de "existir/ ocorrer". Seu auxiliar, o primeiro verbo da locução, ficará na terceira pessoa do singular. Exemplos:
  • Vai haver prosperidade no planeta se não houver paz?
  • Há de haver outras saídas.
  • Poderia haver novas oportunidades para os reprovados no exame.
  • Costumava haver baile toda sexta-feira no clube da cidade.
  • Tem havido sérios problemas de congestionamento em São Paulo.

    O verbo haver é também impessoal nas seguintes acepções:

    b) Passar-se, ter ocorrido. Exemplos:
  • "Havia oito ou nove anos que não nos víamos." (M. Assis),
  • Há cem anos expirava Machado de Assis. (Se usar o verbo haver, torna-se redundante dizer atrás. Deve-se, então, optar por um ou outro. Ex.: Cem anos atrás expirava Machado de Assis.)

    c) Ser possível. Embora rara, esta forma existe. Exemplo:
  • "Não há contê-lo, então, no ímpeto." (Euclides da Cunha apud Hidelbrando André, Gramática Ilustrada, p. 378).

    2. FAZER - quando empregado no sentido de tempo transcorrido ou quando se refere a fenômenos atmosféricos, permanece na terceira pessoa do singular. Exemplos:
  • Faz um ano que ele chegou.
  • Fez cinco anos que casei.
  • Faz frio em São Paulo.
  • Faz belas manhãs naquela ilha.

    3. Verbos que indicam fenômenos meteorológicos permanecem na terceira pessoa do singular. Exemplos:
  • Choveu bastante nesses últimos dias.
  • Relampejou horas durante a tempestade.

    Exceções:
  • Choveram aplausos; choveram papéis picados no Natal. (Quando empregados em sentido figurado).

    4. SER - quando impessoal, é empregado para se referir a fenômenos atmosféricos ou para indicar horas e/ ou datas. Nesses casos, o complemento concorda com o que se anexa a ele para expressar o fenômeno ou o tempo. Tal concordância é obrigatória, afora o caso das datas, em que é facultativa se a palavra "dia" não está expressa. Exemplos:
  • É meio-dia e meia. (de meia hora e não meio)
  • É uma hora.
  • São duas horas.
  • Hoje é 20 de junho.
  • Hoje são 20 de junho.
  • Hoje é dia vinte de junho.

Jorge Viana de Moraes, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação é mestre em Letras pela Universidade de São Paulo. Atua como professor em cursos de graduação e pós-graduação na área de Letras.

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos