PUBLICIDADE
Topo

Bashô Poeta japonês

1644, Ueno (Japão)

28 de novembro de 1694, Osaka (Japão)

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

20/02/2009 17h38

Matsuo Munefusa, conhecido pelo pseudônimo de Bashô, nasceu no Japão em uma família de samurais agricultores, oriundos da classe dos guerreiros, mas deixou o campo aos 23 anos de idade para se dedicar completamente à literatura.

Estuda, então, com Kitamura Kigin, que já iniciara a transformação do haicai (um terceto composto de cinco, sete e cinco sílabas), do qual Bashô viria a ser o maior mestre.

Em contato com o zen-budismo de Zengin, seu segundo professor, Bashô formou sua própria filosofia. Com a morte de Zengin, em 1667, viajou para Kyoto e, em 1672, para Yedo, hoje Tóquio.

Em Yedo aperfeiçoou seu conhecimento das regras poéticas. As escolas de poesia existentes, Kofu e Danrin, estavam decadentes, e Bashô criou uma escola própria, chamada Shofu. Pouco a pouco, jovens poetas admiradores da sua poesia e da sua vida contemplativa se reuniram em torno dele.

Bashô não tinha domicílio fixo, ia de cidade em cidade, recitando para quem o quisesse ouvir. Estabeleceu-se, por fim, em Fukagawa, perto de Yedo, numa cabana. No seu retiro, aperfeiçoava-se no conhecimento e na prática do zen-budismo. Em 1684, tornou-se de novo peregrino.
 

Sobriedade, harmonia e tranquilidade

Bashô costumava registrar cada viagem sua num diário ou em poemas que representavam a sua vida, toda consagrada ao êxtase poético e à contemplação da natureza e da gente simples. Em 1689 abandonou sua cabana e partiu para o norte do Japão.

Continuou sua vida errante até 1694, em permanente aperfeiçoamento espiritual, enquanto seu estilo ganhava em força de evocação, concisão e simplicidade. Nesse ano, doente, instalou-se em Osaka. Foi enterrado no templo Yoshinakadera.

Bashô ocupa lugar de primeiro plano na literatura do Japão, não só em razão de sua obra, mas também pela sua personalidade exemplar, que serviu de modelo a gerações inteiras de poetas.

A originalidade da escola de poesia Shofu era definida por três termos: "sabi", "shiori" e "hosomi". O primeiro aludia à sobriedade que nasce da meditação do poeta diante da natureza; o segundo, à harmonia, regra de ouro da poesia; o terceiro, à tranquilidade atenta que resulta também da contemplação poética.

A escola de Basho recomendava o abandono do formalismo em benefício da própria expressão sincera dos sentimentos e emoções. O haicai atingiu, assim, profunda essência poética e fina sutileza de expressão.
 

Enciclopédia Mirador Internacional