PUBLICIDADE
Topo

Bento Gonçalves Militar e político brasileiro

23/9/1788, Triunfo, RS

18/7/1847, Pedras Brancas, RS,

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

21/12/2005 15h22

Filho de portugueses, Bento Gonçalves da Silva seria encaminhado para a carreira eclesiástica. Muito cedo, porém, demonstrou que sua vocação era militar. Engajou-se na guerrilhas da campanha da Banda Oriental (1811-1812) e participou da guerra contra Artigas (1816-1821), consolidando seu prestígio como soldado. Com a Independência do Brasil, participou da guerra Cisplatina (1825-1828), sendo nomeado coronel por dom Pedro 1º.

Em 1834, foi denunciado como rebelde e acusado de manter entendimentos secretos para a separação do Rio Grande do Sul. Chamado à Corte, defendeu-se perante o ministro da Guerra, sendo absolvido e recebido triunfalmente no regresso à província. Os conservadores, no entanto, conseguiram a destituição de Bento Gonçalves do comando militar da Província do Rio Grande.

Esse foi o estopim da Revolução Farroupilha, que começou em 20 de Setembro de 1835. A luta se estenderia por dez anos. Bento Gonçalves foi preso e mandado para a Corte. Depois foi encarcerado no Rio de Janeiro e transferido para a Bahia, onde ficou preso no Forte de São Marcelo, a alguns quilômetros mar adentro da cidade de Salvador. Conseguiu, porém, evadir-se da prisão baiana a nado.

No período de sua prisão, a independência do Rio Grande do Sul foi proclamada pelo general Antônio de Souza Neto e Bento Gonçalves aclamado presidente, a 6 de novembro de 1836. De volta ao Rio Grande, aceitou o cargo e continuou a luta.

A República Rio-grandense terminou em 1845. Estabeleceu-se com os farrapos anistiados um acordo honroso para a pacificação. Após o fim da revolta, Bento Gonçalves retornou para as atividades do campo sem interessar-se mais por política. Morreu dois anos depois, acometido de pleurisia.